Rússia diz que agente nervoso foi desenvolvido no Ocidente

Moscou, 17 mar (EFE).- O governo da Rússia afirmou neste sábado que o agente nervoso Novichok, que segundo o Reino Unido foi utilizado para envenenar o ex-espião russo Sergei Skripal e a sua filha Yulia, foi desenvolvido no Ocidente, e não na Rússia como denunciaram as autoridades britânicas.

A porta-voz do Ministério de Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, citou Reino Unido e Estados Unidos como os países onde o agente nervoso tem maior probabilidade de ter sido sintetizado, mas também mencionou República Tcheca, Eslováquia e Suécia como possível origem do gás.

"A palavra 'Novichok' foi cunhada como o nome de um agente químico venenoso empregado no Ocidente", acrescentou em entrevista ao canal de televisão estatal "Rossia".

"Nunca, nem o território da União Soviética, nem na Rússia, foram realizadas pesquisas que se chamassem Novichok", garantiu Zakharova em declarações ao canal da televisão estatal russo "Rossia".

A chefe do governo britânico, Theresa May, utilizou essa palavra russa quando acusou a Rússia de estar por trás do ataque a Skripal, com o argumento que o agente nervoso com o qual foram envenenados o ex-espião e sua filha foi desenvolvido em território russo.

A primeira-ministra do Reino Unido usa esse nome tão relativo para, em seguida, associar a Rússia a algo russo", comentou Zakharova.

A verdadeiro origem do agente nervoso só será conhecida "quando a primeira-ministra do Reino Unido e todos os especialistas britânicos que trabalham neste caso entregarem a fórmula", concluiu a porta-voz russa.

A Rússia ordenou neste sábado a expulsão de 23 diplomatas britânicos que trabalham no país, em resposta à idêntica medida tomada por Londres em represália pelo envenenamento dos Skripal.

Ao mesmo tempo, Moscou retirou a permissão para a abertura de um Consulado Britânico em São Petersburgo, a segunda maior cidade do país, e suspendeu as atividades do British Council em território russo. EFE