Post de Casimiro desmentindo montagem compartilhada por Flavio Bolsonaro chega a 1 milhão de curtidas

A postagem em que o youtuber Casimiro desmente a montagem compartilhada pelo senador Flavio Bolsonaro (PL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, chegou a 1 milhão de curtidas em menos de 24 horas. O carioca se manifestou ao ver uma imagem adulterada que insinuava que ele era eleitor do presidente. No post, Casimiro reiterou que vota no ex-presidente Lula.

Casimiro critica montagem compartilhada por Flavio Bolsonaro: 'Reafirmo minha posição insatisfeita com o atual governo'

Kanye West: O gênio que mirou em Duchamp e acertou no Monark

Humberto Carrão: 'Tratar seguidor como patrimônio é uma doença do nosso tempo'

"Assim que acordei vi a montagem tosca feita com o intuito de enganar o eleitor a uma semana do 2° turno. Repudio a utilização da minha imagem sem autorização para fins eleitorais e reafirmo minha posição de insatisfação com o atual governo. Como sabem, dia 30 meu voto é 13", tuitou Casimiro.

A foto verdadeira está no perfil do Instagram de Casimiro, foi postada na sexta-feira (21), e traz o número 29, idade do youtuber. Ele fez aniversário na quinta-feira (20).

Santa Tereza: Nos 80 anos de Milton Nascimento, bairro onde surgiu o Clube da Esquina segue efervescente

Ralph Macchio: Ator lança autobiografia e revela enfim aceitar que será para sempre o 'Karatê Kid'

"29 anos!! Vou fingir que não compramos esses balões só pra tirar essa foto e que eu não postei essa foto só pra ganhar uns likes kkkkk. Muito obrigado pra quem gastou um tempinho do dia pra me dar parabéns, pra quem ainda não conseguiu, aproveite essa chance!! Amo vocês! ❤️😄", escreveu o youtuber na legenda da postagem.

O senador Flavio Bolsonaro excluiu a imagem dos seus stories, mas a imagem editada ficou no ar por mais de 15 horas. Além de Flavio Bolsonaro, a imagem editada de Casimiro também foi publicada no Twitter. Um dos posts tem mais de 18 mil curtidas e cerca de 1,3 mil retweets.

Casimiro já afirmou antes em vídeos que votará em Lula (PT), e não em Bolsonaro.