Postos já ficam sem combustíveis em alguns locais de Minas Gerais, Pará, Brasília, Goiânia e Rio Grande do Sul, diz Fecombustíveis

Alguns postos em Brasília, Goiânia, Pará, Minas Gerais e Rio Grande do Sul já enfrentam problemas pontuais de abastecimento de combustível nesta terça-feira, de acordo com informações da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis).

A Fecombustíveis explicou que o bloqueio em estradas está afetando de forma pontual a distribuição dos combustíveis em alguns estados do país.

No Rio: Governador Cláudio Castro determina atuação do Batalhão de Choque contra bloqueios nas estradas

Bela Megale: Os recados de ministros do STF sobre o silêncio de Bolsonaro

Paulo Tavares, presidente SindicombustÍveis no Distrito Federal, destacou falta pontual de gasolina e diesel em alguns postos de Brasília e em Goiânia. “Esperamos que estas manifestações de cunho político provocadas por uma minoria, possam terminar com brevidade para evitar transtornos para toda a população”, disse em nota

No Pará, as paralisações afetaram o abastecimento em Marabá e Altamira, onde há bloqueios, segundo o sindicato local.

Em Minas Gerais, os postos de algumas regiões já estão apresentando falta de gasolina e diesel, afirmou o Minaspetro. O Minaspetro disse ainda que as rodovias do interior de São Paulo, onde estão localizadas as usinas de etanol, também estão bloqueadas e o fornecimento de poderá ficar comprometido nas próximas horas, agravando a situação, já que parte do combustível usa etanol em sua formulação.

“As bases também estão apresentando problemas de suprimentos (anidro e hidratado), uma vez que os caminhões não conseguem chegar para descarregamento”, afirmou em nota.

O mesmo ocorre no Rio Grande do Sul, disse João Carlos Dal’Aqua, presidente do Sulpetro. Segundo ele, os postos contam estoque baixo, e os pedidos são feitos de um dia para o outro.

—São problemas pontuais. As distribuidoras tiveram dificuldade em transitar durante a última madrugada, mas há informações que as vias começam a ser normalizadas.

Além da falta localizada em postos em diversos estados, os sindicatos afirmam que diversas distribuidoras estão reduzindo a quantidade de produtos para sua rede de postos como forma de precaução caso a manifestação ganhe espaço.