Posts atribuídos a facção em perfil de adolescente morta podem ter sido feitos para despistar polícia, no AM

Louise Queiroga
·3 minuto de leitura

Uma adolescente de 17 anos foi morta em Itapiranga (AM) no último sábado, dia 13, num crime que impressionou até mesmo os investigadores.

O perfil de Cristiane Guimarães no Facebook foi usado para informar que ela seria assassinada e quem seriam os autores, com relatos de um suposto abuso sexual. Não se sabe, porém, se foi a própria vítima quem redigiu o texto. Foi divulgada ainda a indicação exata de onde foi deixado o corpo, por meio de uma publicação assinada por uma facção criminosa.

No entanto, segundo o delegado Aldiney Nogueira, responsável pela investigação, é possível que a facção sequer tenha envolvimento na morte de Cristiane. Diante de novas informações obtidas, um suspeito já foi preso, enquanto outro segue foragido.

— Possivelmente o crime contra a moça não tenha sido cometido pela facção criminosa e nem os suspeitos que tiveram nome citados lá (na rede social da vítima) sejam autores. Uma terceira pessoa pode ter feito as postagens do celular da vítima para incriminá-los — avaliou Nogueira, em entrevista ao EXTRA nesta quinta-feira, dia 18.

— Esse crime realmente teve uma conotação muito diferente pelo fato de que a vítima supostamente estaria postando em suas redes sociais o passo a passo do que estaria acontecendo com ela: que ela seria executada em decorrência de uma suposta dívida de substâncias entorpecentes com seus fornecedores que seriam integrantes de uma facção criminosa carioca — acrescentou.

Dois homicídios cometidos nesta quarta-feira, dia 17, também chamaram atenção na região. As vítimas foram identificadas como como Lorival Fonseca Moraes e Antonio Monteiro dos Santos, sendo ambos parentes de um dos suspeitos iniciais (conforme indicado nas postagens). Os corpos deles foram encontrados com sinais de execução numa área rural.

— Então, a facção criminosa vendo o nome de sua organização criminosa sendo apontada como autora do crime teria ordenado a morte dos supostos autores, como não os localizou, sequestrou e matou dois parentes de um dos suspeitos. Os dois mortos são irmão e cunhado de um dos suspeitos — explicou o delegado.

Na postagem feita no perfil de Cristiane, foi divulgada uma suposta dívida com o trafico de drogas no valor de R$ 3mil, e que a ordem por sua execução teria partido de membros da facção criminosa.

— Esses integrantes provavelmente não gostando da repercussão negativa e das ações policiais intensificadas em busca dos autores do crime, acabaram por ordenar a execução dessas duas pessoas.

Ainda não está clara a motivação para o assassinato da adolescente, mas a principal hipótese considerada é a de feminicídio e que o verdadeiro autor tenha tentado despistar os investigadores ao mencionar outros suspeitos e ainda inserir uma sigla usada no tráfico. As investigações continuam.

— As investigações inicialmente se voltaram para essa questão do tráfico de drogas, pois de fato havia informações de que a vítima e pessoas próximas estariam envolvidas com o comércio ilícito de entorpecentes, porém, com o desenrolar das investigações, nós constatamos que a motivação poderia ser outra. Poderia se tratar de um feminicídio e que a pessoa que cometeu o crime teria feito essas postagens utilizando o telefone da vítima para que pudesse tirar o foco das investigações da Polícia Civil. Então nós estamos trabalhando com algumas linhas de investigação, mas provavelmente a de feminicídio seja uma das mais possíveis, uma das mais plausíveis. A gente já ingressou com algumas representações judiciais, algumas já foram inclusive proferidas, alguns pedidos concedidos.