A poucos dias da eleição municipal, moradores de São João de Meriti falam dos problemas que enfrentam há anos

Cíntia Cruz
·3 minuto de leitura
Foto: Cléber Júnior

90446925_CI-Rio-de-Janeiro-RJ-10-11-2020-BX--Politica--Falta-de-Saneamento-b

Foto: Cléber Júnior

É só no período eleitoral que moradores da região do Dique, em São João de Meriti, podem ter um pouco de esperança. Seja por alguns serviços que começam a surgir nos últimos meses de mandato ou pela fé de que os próximos quatro anos serão diferentes, moradores esperam do futuro governante um compromisso com a região.

O motociclista Maurício Silva, de 46 anos, conta que se surpreendeu quando viu que a Rua São Marcos, onde mora, estava sendo concretada após anos.

— Moro nessa rua há 25 anos e começaram a concretar tem uma semana. Até o caminhão de lixo está passando aqui há uns 30 dias. Antes, era só na principal. Mas isso é só por causa das eleições. Ficamos todo esse tempo sem nada — disparou Maurício.

Já os moradores da Avenida Marginal, no Jardim Noia, não tiveram a mesma sorte. O cenário lá é de puro descaso. O caminhão que faz a coleta de lixo só passa na Avenida Automóvel Clube, e os moradores precisam levar seus resíduos por até 600 metros.

A falta de pavimentação é apenas mais um dos problemas. Sem asfalto nem saneamento, a via é a que mais sofre com enchentes. O ajudante de caminhão Perivaldo dos Prazeres Mira da Cruz, de 41 anos, disse que raramente a prefeitura vai ao local:

— Aqui não vem político nem para pedir voto. Tem um valão no meio da rua e só dá para passar por ele por uma ponte. Carro não passa ali. A última vez que limparam tem uns cinco meses.

A um quilômetro e meio dali, na Avenida do Canal, em Vilar dos Teles, o canal que dá nome à via não é limpo há anos, segundo moradores. Mesmo quem vive a algumas ruas depois enfrenta um transtorno em dias de chuva forte, como explica o aposentado Peri Dias, de 64 anos, que mora na Rua Marco:

— O lixo vai descendo pelo canal e chega até minha rua. Invade e suja não só ela, mas as outras ruas daqui, como a Araruama. Eles pedem votos, mas não cuidam da rua. Moro aqui há 15 anos e não vejo limparem esse canal há muito tempo — reclamou Peri.

Jogo de empurra entre os poderes

Sobre a região do Dique, a Cedae informou que não é responsável pelo esgotamento sanitário ali. Já a Prefeitura de São João de Meriti disse que isso é dever do governo estadual, mas que, mesmo assim, intervenções muynicipais vêm ocorrendo em diversos pontos da cidade. Quanto à pavimentação, a administração da cidade falou que a da Rua São Marcos teve início nesta semana e as demais aguardam agendamentos. Sobre a dragagem do canal do Dique, afirmou que, em junho deste ano, cinco comportas foram limpas. A prefeitura ainda negou a informação de que os caminhões de limpeza urbana não circulam pela região. Sobre a Avenida do Canal, explicou que ela passa por manutenções de corte de vegetação e limpeza mensalmente e que a próxima ação irá ocorrer ainda nesta semana.