Prédio do MST é pichado com suásticas e palavra 'mito' em PE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O prédio do Centro de Formação Paulo Freire, criado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) em Caruraru, em Pernambuco, foi pichado com suásticas e a palavra "mito" no sábado (12). Além disso, a casa da coordenadora do centro foi arrombada e incendiada.

Segundo membros do movimento, quatro pessoas com camisas amarelas, supostamente bolsonaristas, foram responsáveis pelo ataque.

Camas, telhados e pertences da coordenadora foram danificados pelo fogo, enquanto a casa foi apenas parcialmente destruída. Não houve feridos.

"Os bolsonaristas foram derrotados nas eleições, mas uma minoria, movida pela intolerância, preconceito e ódio de classe, de raça e gênero, não aceitaram os resultados da democracia e estão querendo nos impor um terceiro turno", disse o MST, em nota.

O movimento diz que o ato serve de alerta de que ainda não é possível diminuir o nível de cuidado.

"Temos que manter o alerta para proteger nossas estruturas e garantir a posse de Lula no primeiro de janeiro. Até lá, alerta máximo. Cuidar e proteger nossas estruturas e nossas lideranças, contra a ira do ódio e do preconceito e da intolerância, dos grupos fascistas", afirma.

Localizado no assentamento Normandia, o centro Paulo Freire é um espaço de formação que oferece cursos, diversos deles na área de agroecologia.