Prévia da inflação sobe 1,06% em dezembro e fecha 2020 em 4,23%

O Globo
·1 minuto de leitura
Brenno Carvalho

RIO — O último IPCA-15 do ano ficou em 1,06% em dezembro, segundo dados do IBGE nesta terça-feira.

O índice, que é a prévia da inflação oficial, medida pelo IPCA, fechou o ano em 4,23%. É o maior acumulado no ano desde 2016 (6,58%).

O resultado de hoje ficou ligeiramente abaixo da expectativa da pesquisa da Reuters com economistas no mercado, de 1,17% no mês.

A alta foi puxada principalemente pelo grupo Alimentação e bebidas, que encerram o ano com 14,36%.

Durante o ano, o IPCA-15 foi fortemente puxado pela alta nos preços dos alimentos e bebidas. Isso aconteceu porque alguns produtos, como soja e milho, que são negociados em dólar, tiveram alta de preço e ficaram mais atrativos para exportações, levando a um desabastecimento no mercado interno no momento em que a demanda aumentava.

Com pouca oferta e grande procura, já que as pessoas estavam mais em casa e contavam com o auxílio emergencial, os preços subiram, pesando sobre a inflação mês a mês. No caso da soja, afetou não apenas o óleo de cozinha, mas o preço das carnes e do leite, uma vez que o grão também é usado como ração.

Apesar do grupo alimentação ainda pesar na prévia da inflação, analistas do mercado acreditam que o grupo vai desacelerar e outros itens começarão a ganhar relevância a partir de janeiro, como conta de luz, planos de saúde, tarifas de ônibus, entre outros.

Na semana passada, o Banco Central já havia dito que esperava que a inflação continuasse elevada em dezembro, impulsionadas pelos preços de mensalidades escolares e a bandeira vermelha nas contas de luz.