Príncipe Harry diz que Diana ficaria 'arrasada' com briga na família real

Príncipe Harry
O príncipe Harry deu uma série de entrevistas para divulgar seu livro de memórias

O príncipe Harry afirmou que sua mãe, a princesa Diana, teria ficado "arrasada" com o conflito entre ele e seu irmão, o príncipe William.

Harry deu a declaração durante uma entrevista ao programa Good Morning America, da rede de televisão americana ABC News.

Para ele, Diana "teria ficado triste com as discussões". O príncipe disse que o conflito teria sido alimentado pela imprensa de celebridades.

Segundo ele, antes da reconciliação com o irmão e o restante da família real britânica deve haver "responsabilidade".

Ele também descartou um retorno ao Reino Unido como membro da família real. Uma volta à vida seria "insustentável", disse ele ao apresentador Michael Strahan.

"Isso é muito triste, porque basicamente está quebrando o relacionamento entre nós", disse o monarca, em uma entrevista sobre seu livro de memórias, Spare.

Na obra, ele fala sobre o legado traumático da morte de sua mãe em um acidente de carro em 1997.

E diz que Diana agora ficaria triste ao ver a disputa entre os filhos, com o príncipe Harry vendo William como seu "arqui-inimigo".

Ele também acusa seu "amado irmão" de tê-lo agredido fisicamente anos atrás.

"Acho que ela estaria olhando para isso a longo prazo para saber que há certas coisas pelas quais precisamos passar para poder curar o relacionamento", disse ele, na entrevista.

Kate e Meghan
Relação entre cunhadas foi tratada pela imprensa como 'Meghan versus Kate', segundo Harry

Harry também falou sobre seu relacionamento com Camilla, a Rainha Consorte e esposa do Rei Charles, dizendo que ele e a madrasta não se falavam há muito tempo, mas que não a considera uma "madrasta má".

O príncipe Harry disse que tinha compaixão por Camila como a "terceira pessoa no casamento de meus pais".

"Ela tinha uma reputação e uma imagem para reabilitar. E quaisquer que fossem as conversas, quaisquer que fossem os negócios ou negociações feitas logo no início, ela era levada a acreditar que seria a melhor maneira de fazer isso", disse ele ao programa de notícias americano.

Essas alegações, apresentando a visão do príncipe Harry sobre os eventos, até agora não atraíram uma resposta do Palácio de Buckingham.

Em entrevista à ITV no domingo, o príncipe acusou a família real britânica de não defender sua esposa, Meghan.

Números de audiência mostraram que a entrevista dada por ele atingiu 4,1 milhões de pessoas no Reino Unido, atrás do programa Call the Midwife e Happy Valley, que teve mais de 5 milhões de espectadores naquela noite.

Na entrevista, o príncipe Harry afirmou que a reação da família real sobre uma coluna do jornalista Jeremy Clarkson a respeito de Meghan foi um "silêncio ensurdecedor".

O artigo de Clarkson, publicado no jornal The Sun, afirmava que o colunista estava "sonhando com o dia em que Meghan seria obrigada a desfilar nua pelas ruas de todas as cidades da Grã-Bretanha enquanto a multidão gritava 'Vergonha!' e jogar pedaços de excremento nela".

Mais tarde retirado do ar pelo Sun e gerando um pedido de desculpas do jornal e de Clarkson, o artigo foi descrito pelo príncipe como "horrível, doloroso e cruel com minha esposa".

"O mundo está pedindo algum tipo de comentário da monarquia. Mas o silêncio é ensurdecedor. Para dizer o mínimo", disse.

Harry e William em 2021
Para Harry, relacionamento com o irmão pode ser reconciliado

Ele também disse acreditar que os estereótipos sobre Meghan - como uma "atriz americana, divorciada, birracial" - foram uma barreira para o príncipe William e Kate "recebê-la" na família.

"Muito rapidamente tornou-se Meghan versus Kate", disse ele sobre como o relacionamento foi apresentado na mídia britânica. Segundo ele, "quase desde o início as cunhadas não se deram bem".

O príncipe Harry também acusou a família real de "ir para a cama com o diabo" para melhorar sua própria imagem - que ele associou às relações entre "certos membros da família e os tabloides".

No período de divulgação de seu livro, o príncipe também deu uma entrevista a Anderson Cooper no tradicional programa 60 minutos, na CBS News.

No programa, ele também falou sobre Camilla, a rainha consorte, e seu relacionamento com a mídia.

Cooper perguntou ao duque sobre os comentários que ele fez em suas memórias, sugerindo que Camilla seria "menos perigosa" se fosse feliz.

O príncipe Harry disse que a necessidade de Camilla de "reabilitar sua imagem" e sua "vontade" de forjar relacionamentos com a imprensa britânica a tornaram perigosa.

"E como essa é uma família construída na hierarquia, e como ela estava a caminho de ser rainha consorte, haveria pessoas ou corpos deixados na rua por causa disso."

Na entrevista da ITV, Harry retomou o assunto tratado em uma entrevista dada por ele à apresentadora Oprah Winfrey, em 2021, quando afirmou que um membro da família real havia levantado questões sobre a cor da pele de seu futuro filho.

Ele novamente não deu o nome do indivíduo - e sugeriu que poderia ter sido um caso de "viés inconsciente" e não de racismo.

Questionado se a pergunta sobre a cor da pele era racista, ele respondeu: "Não".

Ele negou ter acusado membros da família real de racismo na entrevista para Oprah, dizendo que foi "a imprensa britânica quem disse isso".

O príncipe Harry fez repetidas críticas à imprensa de celebridades, dizendo que era o "trabalho de sua vida" mudar o cenário da mídia.