Príncipe Philip será enterrado durante funeral privado

Pauline FROISSART
·3 minuto de leitura
Uma multidão manteve um silêncio respeitoso na Torre de Londres enquanto observava a Honorável Companhia de Artilharia disparar tiros

A morte do príncipe Philip, membro da família real, ativa um protocolo bem elaborado, denominado "Forth Bridge" -nome de uma ponte localizada perto da capital escocesa-, mas que foi alterado devido à pandemia do coronavírus.

- Sem funerais de estado -

O funeral do Príncipe Philip acontecerá no sábado, 17 de abril, às 15h00 (11h00 de Brasília) na Capela de São Jorge no Castelo de Windsor, oeste de Londres, onde o marido da Rainha Elizabeth II morreu na sexta-feira.

A cerimônia deveria receber 800 convidados, mas isso não será possível devido às restrições impostas para conter a pandemia de covid-19.

O caixão do Príncipe Philip, ex-comandante da Marinha, será coberto por seu chapéu e sua espada. Será transportado em um Land Rover que o duque de Edimburgo ajudou a projetar. O príncipe de Gales, herdeiro do trono, e a família real o seguirão a pé, informou um oficial do palácio.

A cerimônia, na presença do Arcebispo de Canterbury, Primaz da Igreja da Inglaterra, será transmitida pela televisão. A população foi solicitada a respeitar um minuto de silêncio às 15h locais.

- Simplicidade -

Podem comparecer ao funeral, no máximo, trinta pessoas, levando-se em consideração as medidas impostas contra o coronavírus. Ao que tudo indica, estarão presentes os quatro filhos do Príncipe Philip (Charles, Anne, Andrew e Edward) e seus respectivos, bem como os netos e outros familiares.

O príncipe Henry, que reside na Califórnia após deixar a monarquia, também comparecerá. Já sua esposa, Meghan, que está grávida, não irá ao enterro, a conselho de seu médico, disse um porta-voz do palácio.

Para permitir que "o maior número possível de membros da família assistam ao enterro", o primeiro-ministro inglês, Boris Johnson, não participará da cerimônia, informou seu gabinete.

A simplicidade da cerimônia corresponde aos desejos do príncipe Philip, de acordo com os cronistas reais, mas contrasta com outros enterros reais.

O caixão da mãe de Elizabeth II foi exposto no Parlamento de Londres após sua morte em 2002 e cerca de 200.000 pessoas vieram prestar uma última homenagem, formando uma linha de vários quilômetros.

- Luto nacional -

No dia 9 de abril, data de sua morte, teve início um luto nacional que se estenderá até as 8h da manhã do dia seguinte ao funeral. As bandeiras oficiais permanecerão a meio mastro até lá.

No entanto, a bandeira real, localizada acima da residência da rainha, continuará a ondular, sinalizando que a monarquia segue firme.

Por sua vez, a família real iniciou duas semanas de luto, embora alguns de seus compromissos permanecerão na agenda da realeza.

- Homenagens -

Para evitar o contágio de covid-19, a família real pediu à população que não fosse às residências reais, como o Palácio de Buckingham ou o Castelo de Windsor, para depositar flores. Ao invés disso, foi pedido que doem dinheiro para uma associação caritativa. Um livro de condolências também foi publicado online.

Por outro lado, os sinos da Abadia de Westminster tocaram 99 vezes na noite de sexta-feira em homenagem à idade do príncipe falecido; e no sábado ao meio-dia, 41 tiros de artilharia foram disparados em todo o país.

Minutos de silêncio também foram respeitados em eventos esportivos, como jogos de futebol e a competição equestre do Grand National.

am-pau/gmo/jvb/am