Praça na Vila Valqueire onde 30 gatos foram mortos recebe ação para cuidar dos felinos

·2 minuto de leitura
Antes das mortes, colônia na Vila Valqueire reunia cerca de 100 gatos

RIO — Após o episódio da morte de cerca de 30 gatos numa praça em Vila Valqueire, Zona Oeste da cidade, as subsecretarias de Bem-estar Animal do estado e do município realizam uma ação na manhã desta segunda-feira. Os animais que vivem na colônia receberão cuidados na Fazenda Modelo. O espaço ganha um reforço no abrigo para os felinos com instalação de mais casinhas, trabalho que voluntários e moradores do entorno já realizam.

O presidente da Comissão de Defesa dos Animais da Câmara, Luiz Carlos Ramos Filho (PMN), afirma que a atenção voltada à colônia se deve ao recente caso em que animais foram mortos nos últimos 20 dias, ao que parece por envenenamento. Na semana passada, os voluntários que cuidam dos gatos (com alimentos, água e remédios) denunciaram o caso às autoridades. Durante a ação serão instaladas placas contra os maus-tratos.

— Vamos levar os animais da colônia para castrar, vacinar e microchipar na Fazenda Modelo. Depois serão devolvidos ao seu habitat natural, porque a lei proíbe que se retire colônias de animais — conta o vereador. — Os seres humanos precisam conviver civilizadamente com os animais, porque a cidade é de todos.

Neste fim de semana, houve um episódio de vandalismo nos quiosques da praça. O caso foi repudiado pelos protetores da colônia e por autoridades.

O vereador ainda destacou outro caso recente de envenenamento de animais. Em Campo Grande, o proprietário de uma casa coloca veneno na calçada. Filho disse que denúncias sobre esses crimes têm aumentado na medida em que o número de animais abandonados também cresce.

Colônia cuidada por voluntários

Um grupo de moradores e voluntários cuida dos gatos, antes próximo aos 100 animais, fornecendo água e comida e administrando medicamentos, quando necessário. Os participantes, a maioria de moradores do entorno, também dividem entre si os custos com vacinação e castração. Eles ainda doam e instalam casinhas para abrigar os felinos, tanto no chão como no topo das árvores da praça.

Os voluntários se mobilizam para tirar os gatos da colônia por meio de adoções responsáveis. Nas redes sociais eles compartilham fotos e informações dos que estão em busca de um lar. Os interessados devem assinar um contrato de adoção responsável e recebem o animal em casa. O grupo ainda fornece assessoria para auxiliar no cuidado e na adaptação no novo lar. Entre os perfis que promovem essa aproximação estão os do projeto "Quem ama castra" no Facebook e no Instagram.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos