Praças de Niterói terão mobiliário adaptado para crianças de até 3 anos

Após conhecer um estudo realizado pela rede internacional Urban 95 que mostrava a falta de mobiliário em praças públicas que levasse em consideração a integração de crianças de até 3 anos de idade, a prefeitura resolveu criar um plano para padronizar estes locais. No Brasil, Niterói é uma das 24 cidades que aderiram à proposta da rede de levar em conta nas estratégias de mobilidade e nos programas e serviços de planejamento urbano a perspectiva de bebês, crianças pequenas e seus cuidadores.

Educação: Matrículas para rede municipal de ensino de Niterói estão abertas

Covid-19: Niterói inicia aplicação da terceira dose de reforço

A primeira comunidade a receber as melhorias foi a de São José, no Fonseca, na Zona Norte, com duas intervenções com a aplicação deste conceito na Praça Max Wolf. Foram realizadas pinturas em escadarias e em espaços remanescentes do reassentamento na comunidade.

De acordo com o secretário de Obras e Infraestrutura, Vicente Temperini, mais cinco praças serão criadas nas comunidades de São José e da Igrejinha, no Caramujo, sendo que duas tiveram suas licitações concluídas e têm ordem de início prevista para a segunda quinzena deste mês. As demais estão em fase de licitação.

A secretaria também está estudando a adaptação de três praças já existentes, localizadas em Icaraí, Jurujuba e Engenhoca: Praça Getulio Vargas, Praça da Asa Delta e Praça José Vicente Sobrinho.

— A primeira infância raramente tem suas necessidades contempladas no planejamento, nas estratégias de mobilidade e nos programas e serviços destinados a eles. Desde julho de 2020, Niterói faz parte de uma rede com outros municípios no Brasil que estão planejando suas políticas, seus espaços e seus serviços com o olhar para a primeira infância — detalha Temperini.

Padrões incorretos

Uma das primeiras imagens que vêm à cabeça quando se pensa em praças públicas são crianças brincando. Porém, segundo um estudo da rede internacional, a maioria das praças nas cidades brasileiras não é preparada para receber crianças pequenas, que têm em média 95 centímetros de altura: os brinquedos são mais altos, maiores e menos seguros do que o necessário para essa faixa etária.

A Secretaria municipal de Conservação e Serviços Públicos realizou recentemente intervenções com as diretrizes da Urban 95 na Praça Dom José Gonçalves da Costa, em Piratininga, adotando a reutilização de pneus, que foram transformados em brinquedos para as crianças bem pequenas.

A secretária Dayse Monassa lembra que, além de brinquedos e pinturas coloridas lúdicas, os projetos incluem parques naturalizados, onde os brinquedos são desconstruídos. Um simples tronco, por exemplo, vira um brinquedo de equilíbrio.

— Esse projeto é muito importante, porque aproxima a gestão pública da comunidade e de outras instituições do setor privado e de ONGs. A própria comunidade passa a se envolver na criação e na manutenção dos espaços, pela sensação de pertencimento — explica a secretária.