Praça do Pôr do Sol, em SP, será cercada por grades após reclamações de moradores

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Obra para instalação da cerca custará R$ 650 mil. (Foto: Reprodução)
Obra para instalação da cerca custará R$ 650 mil. (Foto: Reprodução)

A Praça Coronel Custódio Fernandes Pinheiro, mais conhecida como Praça do Pôr do Sol, localizada no Alto de Pinheiros, em São Paulo, será cercada com grades definitivas após inúmeras reclamações e pedidos por parte de associações de moradores da região.

Desde abril de 2020, a praça está cercada por tapumes para evitar aglomerações devido à pandemia da Covid-19. Os tapumes serão retirados para que as grades fixas possam ser instaladas. A instalação tem previsão de 60 dias, e ainda não há data de previsão para a reabertura da praça.

A obra começou em dezembro de 2020 e custará R$ 652.953,78 aos cofres públicos, segundo informou a Prefeitura de São Paulo ao portal G1.

Leia também:

A gestão Bruno Covas (PSDB) ainda estuda qual será o regulamento de uso da praça, que definirá horários de abertura e fechamento, e o que será permitido fazer na praça.

O gradeamento, segundo com a Subprefeitura de Pinheiros, o tem o objetivo de "conservação do local, que contém características de parque e recebe grande quantidade de frequentadores".

O cercamento da praça é um pedido antigo das associações de moradores na região, que reclamam do barulho com música alta de noite e madrugada, da quantidade de lixo acumulada no local e do uso “desvirtuado” da praça.

Idealizada nos anos 60 pela arquiteta Miranda Martinelli Magnoli, a Praça do Pôr do Sol tem cerca de 28 mil metros quadros e é um dos principais espaços ao ar livre da Zona Oeste de São Paulo.