Praia Grande bloqueia acesso a favela infestada por sarna

·2 minuto de leitura
Moradores tentam derrubar barreiras instaladas pela Prefeitura de Praia Grande (SP) em comunidade afetada por sarna humana
Moradores tentam derrubar barreiras instaladas pela Prefeitura de Praia Grande (SP) em comunidade afetada por sarna humana
  • A Prefeitura de Praia Grande (SP) bloqueou o acesso a uma favela que enfrenta surto de escabiose

  • A doença, conhecida como sarna humana, não está controlada na comunidade

  • Moradores temem que a área seja desocupada pela administração municipal

A Prefeitura de Praia Grande (litoral de São Paulo) instalou barreiras de concreto na entrada da favela de Nova Mirim, atingida por um surto de escabiose, conhecida como sarna humana. Moradores ficaram assustados e temem estarem sendo isolados em função da doença.

Segundo reportagem do portal UOL, o bloqueio impede a passagem de qualquer tipo de veículo, até mesmo ambulâncias e viaturas do Corpo de Bombeiros. Os obstáculos de concreto contêm avisos em vermelho, informando que aquela área está numa região de proteção ambiental.

Leia também:

O surto de escabiose se alastrou por bairros carentes de Praia Grande. Representantes da comunidade disseram que agentes municipais estiveram lá para prestar atendimento médico aos moradores. Apesar disso, dizem que a doença não está controlada.

Moradores temem que a área seja desocupada após a Prefeitura ter cadastrado as famílias que habitam o local com a justificativa de impedir novas invasões.

Procurada pelo portal UOL, a Prefeitura de Praia Grande informou que instalou as barreiras na entrada da comunidade para evitar novas invasões e construções irregulares naquela área, considerada de preservação ambiental. A cidade monitora diariamente outras 18 áreas, com imagens de satélite e drones, para coibir as invasões.

A administração municipal explicou que essa área foi congelada para novas ocupações em 23 de junho. Um cadastro socioeconômico foi feito com 58 famílias que estavam presentes no local. Segundo a prefeitura, qualquer construção irregular que surja após essa data será removida.

No final da tarde de sexta-feira (16), equipes da prefeitura visitaram a comunidade e retiraram, com a ajuda dos próprios moradores, uma das 12 barreiras de concreto instaladas na entrada.

Quanto à contenção do surto de sarna humana, a prefeitura informou que os moradores foram atendidos e ainda estão sendo acompanhados por equipes da Secretaria de Saúde Pública (Sesap). No dia 28 de junho, foram realizados 336 atendimentos, com 82 consultas médicas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos