Praia pública do Catar tem clima família, muita roupa e nada de cerveja

Sabadão de sol, sem nuvens, numa cidade litorânea pede o quê? Uma praia, claro. Não é diferente no Catar. Com temperaturas acima dos 30 graus, mesmo no outono, um banho de mar foi a escolha de algumas famílias cataris - e alguns turistas - que aproveitaram o último dia do fim de semana em Doha antes da abertura da Copa do Mundo. Mas de um jeito um pouco diferente dos brasileiros.

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

Simulador: você decide quem será campeão da Copa do Catar

O cenário típico do Rio de Janeiro de barracas de sol, ambulantes vendendo os mais variados produtos, altinha na beira do mar, corpos seminus, música alta nas caixas de som particulares e crianças brincando na areia e na água é completamente distinto. Exceto pelos pequenos e seus baldinhos e pás.

Em Katara, uma das praias abertas ao público de Doha o ambiente é totalmente familiar. Não por ser um point escolhido pelos cataris. As praias são divididas por numeração e, em algumas, só é permitida a entrada de casais, famílias com crianças e mulheres. Homens sozinhos são proibidos. O acesso, feito por escadas, tem seguranças no deque para dar informações e manter a ordem.

Sem barraqueiros e ambulantes, o cooler é item fundamental para se manter hidratado e alimentado sob as largas tendas que servem de proteção ao sol forte . Apesar de ser uma praia urbana, quase não há quiosques no calçadão. Nada de cervejinha, caipirinha, água de coco ou mate passando à vontade. A não ser nas áreas internas dos beach clubes, onde o acesso é pago e o álcool, permitido. Por lá, só pé na areia dura do golfo mesmo. Mas que dá para tirar no chuveirão ou na torneira que ficam entre os banheiros feminino e masculino.

Sem música ao redor, o som das brincadeiras das crianças e das conversas das mães é o fundo musical para um dia relaxante na cadeira, na toalha - o conceito de canga também não chegou por aqui - ou na água quase morna e sem qualquer onda. Por isso, um atrativo para as crianças que não podem ficar desacompanhadas como avisam diversas placas fincadas nas areias.

Não há qualquer especificação de uso de trajes de banho na praia, mas não há espaço para biquínis e sungas, ou qualquer coisa parecida, entre os cataris. O corpo preservado aos olhos públicos é tradição religiosa mantida sob quaisquer circunstâncias. A abaya e o hijab, no entanto, não impedem que as mulheres se refresquem no mar junto aos seus filhos. Algumas optam por calças e camisas de manga de natação. Os homens, em geral, usam bermudas e camisetas, assim como as crianças.

Você escala: quais os seus 11 titulares do Brasil na Copa do Mundo

Sem qualquer proibição de vestimenta, duas amigas argentina, recém-chegadas ao país, aproveitaram o dia quente para dar um mergulho. De biquíni. Elas só decidiram usar o traje típico da maioria dos países ocidentais após confirmarem com os locais que não haveria qualquer problema.

Naturais de Tucumán, no norte da Argentina, onde o calor é forte no verão e as praias são convidativas, elas tiraram o short e a camiseta, ainda um pouco constrangidas, e seguiram para o mar.

– Nos disseram que aqui era permitido. Há um certo constrangimento pelos olhares que já recebemos nas ruas, mas é uma praia familiar. Achamos que não seria um problema e vamos aproveitar – disse a administradora de empresas Elena Dodds, de 25 anos, que veio ao país com um grupo de argentinos para assistir aos jogos da primeira fase.