Praia do Sossego, na Região Oceânica de Niterói, inicia processo pela Bandeira Azul

Leonardo Sodré
·3 minuto de leitura
Luiza Moraes / Agência O Globo

NITERÓI — A Praia do Sossego, entre Piratininga e Camboinhas, pode ser a primeira de Niterói a ganhar o certificado internacional de sustentabilidade Bandeira Azul. As mudanças recentes de ordenamento do local e a melhoria do acesso contribuíram para que a praia recebesse, há duas semanas, a visita de uma comitiva da organização que confere o prêmio. Agora, para garanti-lo, o pequeno trecho de litoral da Região Oceânica passará por um processo de adaptação que pode durar até dois anos.

Nesta fase piloto, após a visita, técnicos avaliarão se a praia tem condições satisfatórias para ingressar no programa e formalizarão a entrega do certificado desta etapa. Daí em diante, a praia passará por uma série de adequações.

Dentre os critérios exigidos, terão de ser oferecidas atividades de educação ambiental na praia e fornecidas informações sistemáticas sobre a qualidade da água e da areia, além de haver sinalização com informações gerais sobre o meio ambiente e as regras para uso do local. Outra condição é a construção de banheiros, com a garantia de que o esgoto não entre em contato com o solo e o mar sem estar tratado. A entrada de cães terá de ser proibida; e a fauna, controlada. Será criado um comitê de gestão para a praia, que deve ser encarregado de garantir o cumprimento de todos esses critérios.

Ducha e lava-pés

A prefeitura concluiu no início do ano a construção de uma escadaria de pedra com corrimão que melhorou o acesso dos visitantes, antes feito por um caminho de terra sustentado por pneus. A nova estrutura impede o avanço da erosão, evitando deslizamento de terra e pedras. Para recuperar a área, ainda será feito o manejo de águas pluviais, com a implantação de biovaletas e canteiros rebaixados que captam, limpam e infiltram a água da chuva como forma de drenagem.

O projeto ainda prevê a construção de um posto da coordenadoria ambiental da Guarda Municipal no local e a instalação de paraciclos, lixeiras, bancos, ducha e lava-pés. Outro critério para receber a Bandeira Azul é garantir o acesso à praia através de transportes sustentáveis, como a bicicleta. Apesar de o caminho até lá, partindo de Camboinhas, ser íngreme, quem optar por ir pedalando terá que dispor de estrutura.

Após as adaptações, o Instituto Ambiente em Rede, que confere a Bandeira Azul, receberá o relatório de toda a infraestrutura e fará uma vistoria na praia. Se o resultado for satisfatório, será enviada uma solicitação de condecoração para o júri nacional do prêmio, que se reunirá em junho do ano que vem. Com a aprovação, a avaliação seguirá para o júri internacional, que a examinará em meados de setembro. A Bandeira Azul é entregue e hasteada entre os meses de novembro e dezembro. Caso a prefeitura não cumpra todas as normas em 2021, ainda terá mais um ano para finalizar o processo.

Jus ao nome

Ao contrário das praias vizinhas de Piratininga e Camboinhas, maiores e com quiosques que espalham mesas na areia para uso dos clientes, no Sossego cadeiras e barracas são levadas pelos próprios visitantes, e a maior parte deles vai em busca de silêncio e tranquilidade, como sugere o nome do local.

— Aqui, vem quem quer paz, ficar longe de música alta e aproveitar o contato com a natureza. Quem procura agitação sabe que o Sossego não é o lugar mais apropriado. O fato de não ter quiosques e o acesso ser íngreme ajuda a mantê-la preservada — diz o designer Caio Almeida, morador de Piratininga.

A fisioterapeuta Gisele Peçanha, de 35 anos, conta que frequenta a praia desde criança e torce para que ganhe a Bandeira Azul. Para ela, o prêmio vai ajudar a preservar o local:

— Como é um título baseado em critérios específicos de sustentabilidade, para mantê-lo vai ser necessário um controle rígido das regras de visitação, o que é bom para todo mundo e mantém a característica de ser um lugar mais sossegado.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)