Praticar corrida faz bem para os joelhos, apontam estudos; veja como evitar lesões

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 25.01.2022 - Movimentação de pessoas praticando exercícios físicos no parque Ibirapuera, em São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 25.01.2022 - Movimentação de pessoas praticando exercícios físicos no parque Ibirapuera, em São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - Por muitos anos foi vendida a ideia de que o impacto da corrida poderia fazer mal para os joelhos, mas estudos publicados nos últimos anos mostram que os benefícios do esporte para as articulações são maiores do que os riscos.

O doutor em ciências da motricidade e professor da EEFERP-USP (Faculdade de Educação Física de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo), Paulo Roberto Pereira Santiago, diz que articulações como a do joelho não possuem vasos sanguíneos e, por isso, precisam de movimento para se manterem irrigadas e nutridas.

O impacto causado por uma caminhada vigorosa ou pela corrida favorecem essa nutrição e mantêm as articulações saudáveis, como mostrou uma revisão publicada na revista científica Physical Therapy in Sport.

Segundo o educador físico, corridas e caminhadas de até 30 minutos não devem causar lesões em pessoas saudáveis. Contudo, ele recomenda que o ritmo seja aumentado de forma gradual, que os treinos sejam intercalados com dias de descanso e que o corredor iniciante cheque se não tem problemas de saúde, como arritmias, antes de começar a praticar o esporte.

A corrida melhora a saúde cardiovascular e respiratória, previne doenças metabólicas como a diabetes e aumenta a longevidade, como mostrou um artigo de revisão publicado no periódico British Journal of Sports Medicine.

Segundo recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde), 150 minutos semanais de atividade física moderada ou 75 minutos de atividade intensa são o suficiente para garantir esses benefícios para a saúde.

Dois estudos recentes também mostraram que, ao contrário do que se acreditava, a corrida não deve ser evitada por pessoas com doenças articulares, como a osteoartrite.

"Hoje, na verdade, a gente sabe que o sedentarismo é muito mais prejudicial para uma artrose do que algumas atividades, mesmo as que envolvem certo impacto", diz o fisioterapeuta e mestre em ortopedia e traumatologia, Guilherme de Carvalho Sposito.

Sposito é professor na pós-graduação em fisioterapia do Instituto Internacional de Estudos em Saúde e atua na clínica de fisioterapia esportiva Supere, em Ribeirão Preto, onde utiliza a corrida como parte do tratamento para doenças articulares.

O profissional diz que o tratamento para este tipo de patologia não deve ser feito levando em consideração apenas um achado clínico, como o exame de imagem, e afirma que a intensidade e os benefícios do esporte dependem de fatores como a idade, o condicionamento físico, as doenças associadas e a disposição do paciente.

O médico ortopedista Marco Demange, professor do departamento de ortopedia e traumatologia da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), faz quatro recomendações básicas para evitar lesões nos joelhos durante a corrida.

ALONGUE-SE ADEQUADAMENTE E FORTALEÇA A MUSCULATURA

Os músculos da coxa, panturrilha, dos glúteos e do abdômen são essenciais para manter uma boa postura durante a corrida e, por isso, devem ser fortalecidos antes da prática esportiva.

A musculatura da perna, em especial, é importante para aliviar o peso depositado sobre os joelhos, por isso, os praticantes devem dar mais atenção a ela.

O alongamento também é essencial antes e depois dos exercícios, diz Demange. Essa preparação ajuda na maior flexibilidade muscular e das articulações e, consequentemente, na prevenção de lesões.

TENHA CUIDADO COM O SOBREPESO

O médico explica que durante a corrida, o impacto sobre as articulações do joelho pode ser equivalente a até 4 vezes o peso do indivíduo e, por isso, pessoas obesas ou com sobrepeso têm uma chance maior de sofrer lesões.

Guilherme de Carvalho Sposito adiciona que a maior quantidade de gordura causa predição à inflamações, o que pode o tornar predisposto à dor. Contudo, ele defende que esses indivíduos não se privem de praticar exercícios ou correr, mas sim se preparem bem, com melhora do condicionamento físico, antes de praticar.

FAÇA AVALIAÇÕES

A falta de prática e o sedentarismo fazem com que as pessoas desaprendam a correr. Segundo Demange, é importante que o corredor seja avaliado por um profissional para verificar se os movimentos estão sendo executados de maneira que favoreça lesões.

Se feitos da forma incorreta, principalmente quando o corredor se cansa, causam sobrecarga nos músculos ou joelhos para tentar aliviar a exaustão.

Os especialistas também recomendam que o praticante evite terrenos irregulares, utilize calçados adequados e vista roupas confortáveis.

DESCANSE

Qualquer atividade de impacto deve ser seguida por um período de descanso para que o corpo se recupere. Com a corrida não é diferente. O período é necessário para que os músculos e as articulações se adaptem e, quando for o caso, se regenerem.

Essa recomendação é ainda mais importante quando há qualquer tipo de inflamação nos músculos ou tendões. Elas são comuns em corredores iniciantes e costumam ser revertidas sem a necessidade de intervenções médicas. Entretanto, é preciso tempo para que essa recuperação aconteça.

Se o corredor sentir qualquer dor durante o exercício, a prática deve ser interrompida. Caso os incômodos persistam, um médico deve ser procurado.