Preço máximo da energia sobre 80% no Reino Unido

Preço máximo da energia sobre 80% no Reino Unido

Os britânicos terão a partir de outubro os preços da energia 80% mais caros. O regulador fez passar o limite máximo dos lares de 1971 libras anuais para mais de 3.500 (4100 euros).

Patronato associações de caráter social e sindicatos pedem uma ação urgente do governo para evitar uma situação dramática para as famílias mais modestas.

Diane Skidmore conta as dificuldades de uma família do seu prédio: "Aqui por cima, por exemplo, vive uma família que tem um contador de pré-pagamento. Eles endividam-se sempre por causa disso, e depois não pagam a renda porque têm de pagar as contas porque, caso contrário, o gás e a eletricidade são cortados. Não pagam a renda porque só têm uma certa quantia de dinheiro. Depois metem-se em problemas com o Lambeth Council, o senhorio. Por isso, sim, estou preocupada com eles".

São más notícias para um país que já enfrenta uma inflação acima dos 10%, com previsão de atingir os 13% até ao final do ano.

Vários setores de atividade, como os trabalhadores dos correios, os estivadores e os ferroviários estão em greve exigindo aumentos salariais para fazer face ao aumento do custo de vida.

Analistas e economistas manifestam preocupação. A economista da Fundação Joseph Rowtree, Rebecca McDonald diz: "A queda do nível de vida é de uma escala que não vemos há muitas décadas e, por isso, realmente justifica grandes e criativas intervenções políticas nacionais, a fim de evitar que o que é um ano difícil se torne essencialmente uma catástrofe para muitas famílias de baixos rendimentos".

Os novos preços da energia estarão em vigor até 31 de dezembro, altura em que serão revistos. As projeções mais pessimistas apontam para uma situação em que possam chegar às 6 mil libras anuais, o equivalente a mais de 7 mil euros.

A crise agrava-se perante a inoperância do governo. Boris Johnson, obrigado pelo Partido Conservador a demitir-se, decidiu deixar as decisões políticas necessárias nas mãos do primeiro-ministro que o substituir no dia 6 de setembro.