Preços mundiais de alimentos caem ainda mais em novembro, diz FAO

Caminhão descarrega em armazém na Ucrânia

PARIS (Reuters) - O índice de preços mundiais de alimentos da agência das Nações Unidas caiu marginalmente em novembro, marcando a oitava queda mensal consecutiva desde o recorde em março, após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

O índice de preços da Organização para Agricultura e Alimentação (FAO), que acompanha as commodities alimentares mais comercializadas globalmente, teve média de 135,7 pontos no mês passado, abaixo dos 135,9 de outubro, informou a agência na sexta-feira.

O número de outubro permaneceu inalterado em relação à estimativa anterior da FAO.

Leituras mais baixas para cereais, carne e laticínios em novembro compensaram os preços mais altos de óleos vegetais e açúcar, informou a FAO.

O acordo do mês passado para prolongar um canal de exportação de grãos da Ucrânia apoiado pela ONU por mais 120 dias atenuou as preocupações sobre a interrupção da guerra no comércio de produtos do Mar Negro.

A ligeira queda em novembro significa que o índice de alimentos da FAO está agora apenas 0,3% acima do nível do ano anterior, disse a agência.

O indicador, no entanto, permanece em níveis historicamente altos após atingir um pico de 10 anos em 2021 devido a contratempos na safra e forte demanda liderada pela China.

A FAO alertou no mês passado que os custos recordes esperados de importação de alimentos em 2022 levariam os países mais pobres a reduzir os volumes embarcados.

Em estimativas separadas de oferta e demanda de cereais , a FAO reduziu sua previsão para a produção global de cereais em 2022 para 2,756 bilhões de toneladas, ante 2,764 bilhões estimados no mês passado.

A previsão ficou 2% abaixo da produção estimada para 2021 e marcaria uma baixa de três anos, disse a FAO.

A revisão para baixo na projeção global da safra de cereais refletiu principalmente as fracas perspectivas de milho na Ucrânia, com a guerra tornando as operações pós-colheita proibitivamente caras, afirmou.

Os estoques mundiais projetados de cereais até o final da temporada 2022/23 foram revisados para baixo em 1,1 milhão de toneladas, para 839 milhões de toneladas, 2,2% abaixo da temporada anterior e o nível mais baixo em três anos.

(Por Gus Trompiz)