Pré-candidato à Presidência do PSOL, Boulos quer elevar impostos para os mais ricos

Luciano Claudino/Código19/Futura Press

Pré-candidato pelo PSOL à Presidência da República, Guilherme Boulos, integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), quer, se eleito, cortar privilégios e impostos mais altos para que tem maior renda e patrimônio.

“O povo trabalhador, o mais pobre e a classe média já pagam muitos impostos. Temos de criar condições para uma redução gradual sobre produção e consumo, que corresponde a 49,7% de toda a carga. Hoje quem tem menos paga mais e quem tem mais paga menos. Vamos criar condições para diminuir os impostos e fazer quem não paga pagar. O imposto sobre grandes fortunas está previsto na Constituição de 1988 e não foi feito até hoje”, argumenta.

Em entrevista ao Correio Braziliense, Boulos defendeu também a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril, e disse que a unificação da esquerda virá no segundo turno.

“Todas as candidaturas são legítimas no campo da esquerda e queremos dialogar com todas elas. As diferenças que temos não vão nos impedir de sentar à mesma mesa. A eleição é em dois turnos. Não acredito que o povo brasileiro vá colocar dois representantes do Temer na reta final”, afirmou.

Caso eleito, Boulos disse que não vai reformar a Previdência. Embora reconheça o déficit, ele diz que a proposta do presidente Michel Temer “é uma covardia atroz contra o povo brasileiro”, que prejudicava os mais pobres.