Veja o que você precisa saber para começar a quinta-feira

Presidente Jair Bolsonaro agitou novamente o país com fala polêmica e escatológica - Foto: REUTERS/Adriano Machado

Projeto aprovado nas últimas horas do dia, Banco Central agindo diante da conjuntura econômica e mais uma declaração polêmica do presidente Jair Bolsonaro.

Veja aqui o que você precisa saber para começar a quinta-feira:

Abuso de autoridade

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (14) o texto-base do projeto que define em quais situações será configurado o crime de abuso de autoridade, tema que causou muita polêmica entre os parlamentares

Banco Central agindo

O Banco Central anunciou nesta quarta-feira (14) que irá vender dólares à vista das suas reservas internacionais, algo que não acontecia desde 3 de fevereiro de 2009. A autoridade monetária também irá oferecer ao mercado contratos de swap cambial, mas avaliou que esse instrumento não atenderia sozinho à demanda por moeda estrangeira gerada pela "conjuntura econômica atual".

Dodge a favor de Moro

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou nesta quarta-feira (14), ao Supremo Tribunal Federal (STF) um parecer contrário à abertura de uma investigação criminal contra Sergio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública. Vale ressaltar que esse parecer da procurada vem no contexto da aproximação da definição de quem vai assumir a PGR. Dodge já se colocou à disposição de Jair Bolsonaro para ser reconduzida ao cargo por mais dois anos. Seu atual mandato termina no dia 17 de setembro.

Sem papas na língua

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a criticar os governadores do Nordeste e manifestou a intenção de “acabar com o cocô do Brasil” se referindo, segundo ele, a “corruptos e comunistas”. O discurso foi feito na manhã desta quarta-feira (14) no Piauí, estado governado pelo petista Wellington Dias. Essa foi a terceira vez que Bolsonaro cita “cocô” em falas públicas em menos de uma semana.

Militar réu

Em decisão inédita, o militar reformado Antônio Waneir Pinheiro Lima, conhecido como 'Camarão, se tornou réu nesta quarta-feira (14) por crimes cometidos durante a Ditadura Militar. A condenação diz respeito aos delitos realizados na 'Casa da Morte', órgão clandestino montado em Petrópolis (RJ).