"Precisamos de começar a criar esperança para o futuro", diz António Vitorino

Guerra, terrorismo, pobreza, alterações climáticas. Podem existir muitas razões por detrás de um fluxo migratório. Estamos nas Conferências do Estoril, perto de Lisboa, onde jovens estão a debater um "Futuro de Esperança".

O diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), António Vitorino, é o convidado desta edição de Global Coversation.

Nuno Prudêncio, euronews: Estamos aqui rodeados de jovens. Há uma guerra a decorrer muito perto de nós, na Ucrânia. Como podemos preparar as gerações mais jovens para enfrentar e responder às várias migrações que continuam a acontecer?

António Vitorino: A grande maioria dos migrantes, em todo o mundo, é jovem. A primeira tarefa, diria eu, para os jovens nos países de destino é entrar em contacto com esses jovens migrantes. Conhecê-los, compreender porque vieram. Quais são as suas esperanças e as suas expectativas. Assim, o meu apelo aqui, nas Conferências do Estoril, é dizer para se envolverem, entrarem em contacto, compreenderem porque é que as pessoas estão a fugir da guerra, da pobreza, das alterações climáticas. E depois agir. E agir significa voluntariado, o apoio, mas também defender um tratamento com dignidade para os migrantes.

NP: Como é que a sua organização está a lidar com a possibilidade de uma guerra a longo prazo?

António Vitorino: Esta crise de refugiados é totalmente única. Antes de mais, porque cresceu enormemente num período de tempo muito curto. Infelizmente, receio que esta crise vá ser duradoura. Por isso, temos de dar resposta às necessidades imediatas dessas pessoas, tanto dos refugiados nos países europeus como daqueles que perderam tudo, mas que no entanto permaneceram dentro da Ucrânia, o que significa abrigo, o que significa água, eletricidade, alimentação, apoio financeiro. Por último, mas não menos importante, prepararmo-nos para o inverno, porque o inverno está ao virar da esquina, mas, ao mesmo tempo, se as pessoas quiserem sobreviver, têm de ser resilientes. Precisamos de começar a criar esperança para o futuro, particularmente quando se trata da necessidade de reconstruir um país que tem sido largamente devastado pela guerra.

NP: A Polónia e a Hungria estavam unidas num bloco de países que se recusaram a seguir a política de Bruxelas em relação aos requerentes de asilo. Isso parece ter mudado após a invasão russa. Pensa que este conflito, o conflito ucraniano, pode causar uma mudança de posições na Europa Central?

Espero, sinceramente, que ainda haja uma reserva da espécie humana em cada país, em cada pessoa.

**António Vitorino:**Espero que a generosidade que a sociedade civil tem demonstrado contamine, também, os Governos. De facto, como ouvimos durante estas conferências, os primeiros inquiridos foram as populações, foram os cidadãos que apoiaram os ucranianos que estavam em fuga. As agências oficiais só vieram depois do primeiro impacto positivo. Espero sinceramente que ainda haja uma reserva da espécie humana em cada país, em cada pessoa.

NP: Esta guerra e a crise alimentar podem agravar as condições humanas em muitos países africanos, o que pode levar a um recrudescimento das migrações. Quais são as suas principais preocupações a este respeito?

António Vitorino: Penso que existe uma estreita ligação entre insegurança alimentar, alterações climáticas e mobilidade forçada. Precisamos de abordar todos estes componentes de uma só vez e de imediato. A insegurança alimentar não se deve apenas ao aumento do preço dos cereais, por causa da guerra. Isso faz parte da história, mas há outra parte da história que é o terrível impacto que as alterações climáticas, os fenómenos climáticos extremos, a seca, a seca prolongada ou, por vezes, as inundações, as cheias intensivas têm na produção agrícola.

A abordagem integrada requer uma mobilização da comunidade internacional e uma estreita cooperação, como fazemos na OIM com o Programa Alimentar Mundial e com a FAO para enfrentar o desafio. Este não é um desafio a curto prazo. É um desafio a longo prazo, incorporar a adaptação e mitigação das alterações climáticas na vida quotidiana das comunidades.

NP: Precisamente, as alterações climáticas... No futuro, há milhões de pessoas que podem ser deslocadas, que podem ser forçadas a abandonar as suas casas precisamente devido às alterações climáticas. Como podemos preparar as populações para enfrentar este tipo de êxodo?

**António Vitorino:**Se olharmos para as ilhas do Pacífico ou para as Caraíbas, veremos que é a subida da água, do nível da água do mar, que está a prejudicar a subsistência nessas regiões, mas se olharmos, por exemplo, para um país como o Sudão, onde a OIM está muito presente, estamos a lidar com milhares, dezenas de milhares de pessoas deslocadas por causa da seca.

No entanto, no mesmo país, mas noutra região, estamos a lidar com dezenas de milhares de pessoas deslocadas por causa das cheias. Portanto, é necessário ter uma abordagem à medida das realidades no terreno. A migração pode ser parte da solução para os impactos das alterações climáticas, mas o que precisamos é de dar prioridade a que as pessoas queiram permanecer onde vivem e criar condições de resiliência comunitária para permanecerem e se adaptarem aos impactos das alterações climáticas.

NP: O regime talibã celebrou, recentemente, um ano de poder no Afeganistão. As Nações Unidas dizem que este país está a atravessar uma das piores crises humanas do mundo. Isso teve impacto no seu trabalho?

**António Vitorino:**Enormemente, como pode imaginar. Mas vamos ser francos; a situação, no Afeganistão, já era uma situação humana muito grave, mesmo antes da tomada do poder pelos Talibãs a 15 de agosto de 2021. Por isso, os problemas estruturais no Afeganistão foram multifacetados. Há a seca, a instabilidade e a insegurança, mas também existe uma situação de saúde muito difícil no país. Devido à dimensão política desta situação, a situação no Afeganistão, a comunidade internacional, as agências da ONU, entre as quais a OIM, prestamos assistência humanitária. Mas há limites para o que a assistência humanitária pode fazer. Várias coisas só podem ser abordadas a longo prazo com base numa estratégia de desenvolvimento. Devido a restrições políticas, atualmente o financiamento de ações de desenvolvimento é limitado devido às sanções, pelo que tendemos a concentrar-nos, acima de tudo, na assistência humanitária.

Agradecimentos: Fidelidade Studio/Nova SBE