'Precisamos vacinar a população’, diz Queiroga sobre o fim da obrigatoriedade de máscara para vacinados

·1 minuto de leitura

ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, negou nesta quinta-feira que desobrigará o uso de máscara facial neste momento para pessoas que já se vacinaram contra a Covid-19. No entanto, a medida é estudada pelo ministério. Ainda não há data para que seja adotada, mas a expectativa dele é que seja em breve.

— Queremos que seja o mais rápido possível, mas precisamos vacinar a população — afirmou o cardiologista.

Queiroga também negou que houvesse pressão do governo para adoção da medida, semelhante a que foi adotada pelos Estados Unidos em locais públicos (exceto hospitais e transportes públicos) em 13 de maio. No entanto, o país já se encontra em ritmo avançado de vacinação e com imunizantes de maior eficácia em relação aos usados no Brasil. À época, 46% da população norte-americana já havia recebido pelo menos a primeira dose.

— O presidente não me pressiona, não. Eu sou o ministro dele. Nós trabalhamos em absoluta sintonia — disse Queiroga à CNN.

Mais cedo, Bolsonaro declarou que ministério desobrigaria o uso também para quem já se contaminou; ministro disse apenas que há "estudo" sobre o tema, sem detalhar.

— Por coincidência, olha a matéria para a imprensa, acabei de conversar com um tal de Queiroga. Ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que estejam vacinados ou que já foram contaminados. Para tirar esse símbolo, que obviamente tem sua utilidade, para quem está infectado — declarou Bolsonaro.