Preço da cesta básica aumenta em 12 capitais; veja gráfico

Preço da cesta básica  aumenta em 12 das 17 capitais analisadas pelo Dieese
Preço da cesta básica aumenta em 12 das 17 capitais analisadas pelo Dieese
  • Cesta básica: as maiores altas foram registradas em Porto Alegre, Campo Grande e Vitória;

  • Porto Alegre foi a cidade onde o conjunto dos alimentos básicos apresentou o maior custo (R$ 768,82);

  • Em 2022, o custo do conjunto de alimentos básicos subiu em todas as cidades analisadas.

De acordo com estudo elaborado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), de setembro a outubro, o preço da cesta básica aumentou em 12 das 17 das capitais analisadas. No período, as maiores altas foram registradas em Porto Alegre (3,34%), Campo Grande (3,17%) e Vitória (3,14%).

O Rio de Janeiro, a quarta cidade com o aumento mais expressivo (3,10%), O preço médio do conjunto de alimentos básicos na capital fluminense chegou a R$ 736,28 no mês passado. Porto Alegre foi a cidade onde o conjunto dos alimentos básicos apresentou o maior custo (R$ 768,82), seguida por São Paulo (R$ 762,20) e Florianópolis (R$ 753,82).

Em 2022, o custo do conjunto de alimentos básicos subiu em todas as cidades analisadas, tendo destaque as altas em Campo Grande (14,39%), Goiânia (13,15%), Porto Alegre (12,58%) e Brasília (12,47%). . Em Recife, foi observado o menor percentual (4,89%). No Rio de Janeiro (RJ), a alta foi de 9,26%.

Entre os alimentos, a batata registrou o maior valor em outubro. O produto sofreu alta em todas as cidades analisadas pela pesquisa. De acordo com o DIeese, a diminuição da oferta foi explicada pelo fim da safra de inverno e pelas chuvas.

Salário mínimo

O Dieese também estipulou que o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas no país deveria ter sido de R$ 6.458,86 em outubro. O valor é R$ 150 maior do que o registrado para o mês anterior e equivalente a pouco mais de cinco vezes o valor atual (de R$ 1.212).