Preços do tomate e da batata caem no atacado; entenda por quê

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Potato, Potatoes, Raw Potatoes, Batata Inglesa. English potatoes with white background.
Preço da batata caiu 26% em São Paulo e quase 52% no Rio de Janeiro
  • Com qualidade da batata em baixa, preços caíram

  • Colheita da safra de verão do tomate fez preços caírem também em fevereiro

  • Segundo a Conab, valor dos produtos deve continuar em baixa, mas qualidade também cai

Apesar de um período de redução na oferta de hortaliças em supermercados, os preços do tomate e da batata caíram nos principais centros atacadistas do país e os valores devem continuar baixos. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (18) pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). 

Leia também:

Em São Paulo, a queda de preço da batata chegou a 26% e a quase 52% no Rio de Janeiro. Segundo a Conab, o movimento tende a se repetir em março. No entanto, a média de preços praticadas em fevereiro deste ano ainda foi superior à do mesmo período de 2020.

Motivos da queda

A redução nos preços da batata seguiu um comportamento registrado em janeiro, quando foi verificada a interrupção das altas iniciadas em outubro de 2020. Além disso, a menor qualidade do tubérculo pode ter influenciado.

Segundo a Conab, o ritmo de colheita foi prejudicado pelas chuvas nas áreas de produção e a umidade excessiva levou à perda de qualidade, consequentemente, desvalorizando a batata.

Demanda deve diminuir e qualidade do tomate deve cair, o que vai manter valores em baixa
Demanda deve diminuir e qualidade do tomate deve cair, o que vai manter valores em baixa

Em fevereiro, a oferta maior do tomate veio da colheita da safra de verão, o que reduziu os preços. Mas agora, assim como a batata, a qualidade do tomate também deve piorar em março, devido às condições climáticas.

Para a Conab, haverá uma demanda mais baixa este mês, que, aliada à menor qualidade do produto, ajudará na manutenção dos valores em baixa.

Menor oferta nos mercados em 2020

No ano passado, com o início da pandemia da covid-19 e o aumento do distanciamento social, a comercialização de frutas e hortaliças nos mercados atacadistas brasileiros teve uma retração de 2,85% e movimentou mais de R$ 42,2 bilhões, com o escoamento de aproximadamente 16,35 milhões de toneladas de produtos.