Prefeita de Bauru distorce números, ataca lockdown, mas garante: 'Não sou negacionista'

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Prefeita Suéllen Rosim descartou ser
Prefeita Suéllen Rosim descartou ser "negacionista" - Foto: Divulgação/Prefeitura de Bauru
  • Prefeita de Bauru considerou que o lockdown "não funciona" para combater o coronavírus

  • Para justificar o posicionamento, porém, distorceu os dados da medida em Araraquara

  • Ela também criticou a política de "abre e fecha" no estado

Prefeita de Bauru, Suéllen Rosim (Patriotas) posicionou-se nesta quarta-feira contra o lockdown. Mesmo com o colapso na saúde em boa parte do país, ela garantiu que a medida “não funciona” no combate à Covid-19.

"Estou há semanas presa em um decreto em fase vermelha porque a Justiça me obrigou. Não tivemos espaço para mostrar que essa historia de lockdown funciona? Não funciona. Vai diminuir o número de casos? Não diminuiu nas cidades que seguiram", declarou em entrevista ao UOL.

Leia também:

Para justificar seu posicionamento, porém, Suéllen distorceu os números do coronavírus em Araraquara. A cidade adotou o lockdown há um mês e tem colhido os frutos da decisão, com quedas nos números de casos e internações, se levado em consideração o fim do mês passado. Os óbitos estão no mesmo patamar, mas com diminuição significativa se comparados à primeira semana de março.

“(O lockdown) não funcionaria em Bauru. Araraquara é prova disso. Os casos diminuíram, mas o número de mortes segue subindo. É um novo quadro com essas cepas. Não tenho dificuldade em tratar a realidade”, disse.

As autoridades de Araraquara concluíram que a adesão às medidas mais restritivas foi fundamental para a queda nos casos, ao contrário do que apontou Suéllen. Mesmo assim, ela garantiu: “Sou realista, não negacionista”.

Prefeita endossa discurso de Bolsonaro

Suéllen Rosim também endossou o discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com quem já admitiu se identificar, a respeito do enrijecimento das medidas de isolamento. Ela criticou o “abre e fecha” dos serviços no estado e apontou um possível colapso econômico com o lockdown.

Suéllen se manifestou contra medidas mais rígidas de isolamento, assim como Bolsonaro
Suéllen se manifestou contra medidas mais rígidas de isolamento, assim como Bolsonaro

"A gente vai ficar nesse abre e fecha por bastante tempo. Nosso sistema precisa melhorar, precisamos de mais vacinas. Mas não posso ignorar quem está passando fome. Em Bauru eu já estou com uma sobrecarga, tendo que distribuir cestas básicas", avaliou.