Prefeito Álvaro Dias é reeleito em primeiro turno em Natal

FERNANDA CANOFRE
·2 minuto de leitura

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Em Natal, as urnas confirmaram o favoritismo do atual prefeito Álvaro Dias (PSDB), como apontavam as pesquisas recentes. Com 100% das urnas apuradas neste domingo (15), ele teve 56,6% dos votos válidos para seguir no comando da capital do Rio Grande do Norte. Entre os 13 concorrentes, estavam o deputado estadual Kelps Lima (Solidariedade), o delegado Leocádio (PSL), o também deputado estadual Hermano Morais (PSB) e o senador Jean (PT), segundo colocado com 14,38%. O atual prefeito assumiu a prefeitura em 2018, quando o então titular, Carlos Eduardo (PDT), renunciou ao cargo para concorrer ao governo do estado. Ele acabou perdendo a eleição para a atual governadora e ex-senadora, Fátima Bezerra (PT). O ex-prefeito, que foi eleito quatro vezes para a prefeitura de Natal, apoiou o ex-vice na campanha atual. Dias é formado em medicina pela UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) e começou a vida pública há 32 anos como vice-prefeito de Caicó (a 273 km de Natal). Ele, que é filho do ex-deputado Adjuto Dias, teve cinco mandatos como deputado estadual (1990, 1994, 2006, 2010, 2014) e um como deputado federal (2002), até ser eleito vice-prefeito de Natal em 2016, com 63,42% dos votos válidos. “As candidaturas de oposição são muito frágeis, foram montadas de um ano para cá. O contexto de pandemia ajudou muito o prefeito”, afirmou o professor do departamento de ciências sociais da UFRN, Daniel Menezes, sobre o aumento da aprovação do tucano neste ano. Dias não segurou o comércio fechado por muito tempo, mas distribuiu remédios, abriu hospital de campanha e acabou ficando mais conhecido pela população ao ganhar visibilidade, na avaliação de Menezes. Até a última sexta-feira (13), Natal tinha 29.238 casos confirmados do novo coronavírus e 920 mortes na cidade, de 890 mil habitantes. Ao todo, a disputa teve 13 candidatos. O postulante do Novo, Fernando Pinto, renunciou à candidatura na metade de outubro devido a problemas de saúde.