Prefeito Bruno Covas descarta lockdown em SP por falta de estrutura de fiscalização

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO/ SP, BRASIL,  01.01.2021 - O prefeito Bruno Covas (PSDB).  (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO/ SP, BRASIL, 01.01.2021 - O prefeito Bruno Covas (PSDB). (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

GONÇALVES, MG (FOLHAPRESS) - Mesmo diante do pior momento da pandemia, com registro da primeira morte de um paciente com Covid-19 na fila de espera por um leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), a cidade de São Paulo não deve decretar lockdown.

Segundo o prefeito Bruno Covas (PSDB), a medida, que foi implantada nas maiores capitais europeias na primeira onda da pandemia e se alastra agora pelas cidades do interior paulista, é inviável na metrópole paulistana.

O motivo: falta de estrutura de fiscalização. "A gente tem mil GCMs [guardas-civis metropolitanos] por dia na cidade. Com esse efetivo é inviável fiscalizar se as pessoas estão saindo ou não de suas casas", disse o prefeito.

A afirmação de Covas dada em entrevista à GloboNews, na manhã desta quinta-feira (18), contraria o que especialistas da saúde disseram à Folha sobre o tema.

Os profissionais da área da saúde afirmaram que o lockdown, mesmo considerado extremo, é a única saída para São Paulo frear a transmissibilidade do vírus, que ganhou força e tem impactado a saúde dos mais jovens.

"Diante da emergência sanitária em que estamos, só nos resta fechar tudo. Isso já deveria ter sido feito, pois o resultado só poderá ser sentido em duas a três semanas", afirmou o infectologista Renato Grinbaum.

Por causa do ciclo de contaminação do coronavírus, que leva de 10 a 14 dias, o resultado de quaisquer medidas restritivas só começa a aparecer em cerca de duas semanas.

Para Grinbaum, um lockdown cumprido à risca pode ajudar a retomar algumas atividades econômicas em um tempo menor, evitando o "abre e fecha" que tem desgastado, na opinião do infectologista, a sociedade e a economia.

Além da falta de estrutura de fiscalização, Covas culpa as grandes dimensões da cidade e as regiões de divisa com outros municípios que dificultam o cumprimento do lockdown.

"São 1.700 ruas que começam na cidade de São Paulo e terminam em outra cidade. Ou que o lado esquerdo da via é da cidade de São Paulo e o direito de uma cidade da região metropolitana".

Por isso, avalia o virologista Maurício Lacerda Nogueira, professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, o lockdown precisa ser, no mínimo, executado em âmbito estadual para ter boa eficácia.

"Temos medidas municipais e até regionais no interior do estado de São Paulo, mas quando uma cidade próxima não adere à restrição, põe a perder o esforço das demais".

Para Covas, a medida mais viável no momento é antecipar os feriados, a exemplo do que foi feito em 2020, para manter a população dentro de casa.

"Se a gente conseguir nos próximos 15 dias que as pessoas voltem a cumprir os índices de isolamento que tivemos no início da pandemia, a gente já vai sentir uma melhora no número de casos e internações", afirmou Covas.