Prefeito chora ao falar sobre impacto do coronavírus em Porto Alegre

PAULA SPERB
***ARQUIVO***PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 22.01.2018 - O prefeito de Nelson Marchezan Jr., durante entrevista exclusiva à Folha em seu gabinete na Prefeitura de Porto Alegre (RS). (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - A prefeitura de Porto Alegre decretou estado de emergência por 30 dias e o fechamento de parte do comércio. A partir desta quinta-feira (19), segundo o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB), shoppings e academias da capita gaúcha deverão fechar as portas.

São exceções, na capital gaúcha, farmácias, clínicas de saúde, supermercados, restaurantes e locais de alimentação localizados nesses centros de comércio.

Ao falar sobre o impacto econômico e social da pandemia do coronavírus sobre a população mais pobre, o prefeito chorou durante entrevista.

"Reitero que são decisões que estão sendo tomadas de forma muito rápida para tentar acompanhar a evolução do vírus no mundo e na cidade e que n[os vamos errar", disse com a voz embargada. "Mas esses erros são bem intencionados. A crise econômica vai afetar os mais pobres do mundo inteiro, do Brasil e aqui em Porto Alegre. A gente está fazendo de tudo para minimizar."