Prefeito de Magé despeja lixo na porta do Inea em protesto contra interdição de aterro sanitário da cidade

Lucas Altino
·3 minuto de leitura
Reprodução

RIO — Em protesto contra o fechamento do aterro sanitário de Magé, o prefeito da cidade, Rafael Tubarão, decidiu fazer um protesto inusitado: ele levou um caminhão cheio de lixo até a porta do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), no bairro da Saúde, e despejou o material no local, na manhã deste sábado. Tubarão alegou que a prefeitura não está conseguindo recolher o lixo do município nos últimos dias devido a um "gesto político, insano e covarde", como definiu na live que fez durante o ato. O aterro foi interditado nessa semana após diversas notificações do Inea, que identificou "crime ambiental" no lugar. O instituto diz que vai fazer um registro de ocorrência por causa do despejo de lixo na sua porta.

No vídeo de 3 minutos e meio, publicado em suas redes sociais, o prefeito diz que, no aterro, o chorume transbordou após as fortes chuvas da última semana, o que teria motivado a interdição. Procurado, o Inea explicou que faz vitorias no local desde 2019 e que a "Prefeitura de Magé já foi diversas vezes notificada e autuada por irregularidades operacionais". Nessa semana, o instituto diz que a interdição ocorreu porque foi "constatado crime ambiental", após seus técnicos encontrarem "diversos fluxos de escoamento de chorume diretamente para o solo, além de uma ampla área de resíduos expostos e disposição de resíduos em área não impermeabilizada". Por último, o Inea rebateu a versão do prefeito, de que o chorume teria transbordado por causa da chuva, pois disse que, se houvesse "tratamento e destinação correta dos resíduos ", o que a prefeitura não tem feito, não haveria problemas dessa natureza.

Rafael Tubarão, que encerrará seu mandato no próximo dia 31, disse que a interdição do aterro sanitário traz graves problemas de saúde à população de Magé, em meio a uma pandemia. O prefeito, repetidas vezes, citou que Magé foi o município do estado que mais sofreu com chuvas na semana, com volume registrado de 255 ml em 12 horas. Sem a cédula sanitária, ele diz que a a prefeitura não consegue recolher o lixo da cidade. Tubarão fez apelos até ao governador, Claudio Castro, para que medidas fossem tomadas.

— Estou questionando essa covardia com o povo e Magé. Tem que dar um basta nessa politicagem. Foi um gesto político, insano e covarde, ao afrontar a população de Magé. Já entramos com medidas cabíveis na justiça, mas o povo não pode esperar. A nossa saúde está em risco, no meio de uma pandemia. Isso é uma vergonha, é um absurdo para o estado do Rio e para a Magé. Não tivemos outro recurso, a gente tem que vir aqui protestar. Em protesto pela covardia que está acontecendo com a gente, vou trazer um pouco do lixo da nossa cidade — concluiu o prefeito em sua live, na manhã deste sábado.

Nos comentários do vídeo no facebook, as mensagens de apoio não foram maioria. A maior parte das publicações era de cobranças pelo atraso do pagamento do 13º salário para o funcionalismo da cidade.