Dinheiro apreendido com prefeito seria para financiar atos antidemocráticos em 7 de setembro

·1 minuto de leitura
Senador Humberto Costa na CPI da Pandemia (Foto: Pedro França/Agência Senado)
Senador Humberto Costa na CPI da Pandemia (Foto: Pedro França/Agência Senado)
  • CPI da Pandemia recebeu a denúncia de que os R$505 mil apreendidos com um prefeito seriam, supostamente, para financiar atos antidemocráticos em 7 de setembro

  • A apreensão foi feita pela Polícia Federal, no aeroporto de Congonhas (SP), no dia 26 de agosto.

  • O prefeito de Cerro Grande do Sul, Gilmar João Alba (PSL), seguia para Brasília

A CPI da Pandemia irá encaminhar ao Supremo Tribunal Federal a denúncia de que os R$505 mil apreendidos com o prefeito de Cerro Grande do Sul, Gilmar João Alba (PSL), seriam, supostamente, para financiar atos antidemocráticos em 7 de setembro.

A apreensão foi feita pela Polícia Federal, no aeroporto de Congonhas (SP), no dia 26 de agosto. O prefeito seguia para Brasília com o montante e não soube explicar a origem do dinheiro.

No início da sessão desta quarta-feira (1), o senador Humberto Costa (PT-PE) disse que havia recebido a denúncia sobre o possível destino da verba apreendida e que, mesmo sabendo que os atos de 7 de setembro não fazem parte das apurações da comissão, achava que deveria comunicar sobre o que tomou conhecimento.

Leia também:

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) destacou que, mesmo não sendo tema da CPI, a denúncia tinha que ser encaminhada ao ministro do STF Alexandre de Moraes.

A CPI da Pandemia ouve nesta quarta-feira (1) o motoboy da empresa de logística VTCLog, Ivanildo Gonçalves.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos