Prefeito de Nova York defende quarentena nacional para enfrentar o coronavírus

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, adverte que os hospitais não possuem profissionais e respiradores suficientes para salvar todos os infectados com o novo coronavírus

Os Estados Unidos precisam urgentemente de uma quarentena geral obrigatória para enfrentar a pandemia do novo coronavírus, que vai piorar em abril em maio, insistiu nesta segunda-feira o prefeito de Nova York, o maior epicentro nacional da pandemia.

O prefeito Bill de Blasio alertou que a cidade de Nova York, onde foram registrados quase 11.000 casos e 99 mortes pelo vírus, não tem respiradores suficientes ou profissionais da área da saúde para conseguir salvar as vidas de todos os infectados. Ele pediu ajuda urgente ao governo federal.

"Esta semana será ruim e a próxima semana será pior (...) Este é apenas o início de algo que vai piorar em abril e maio. Temos que nos preparar, temos que mudar a maneira como vivemos, e precisamos absolutamente da ajuda de Washington", disse o prefeito Bill de Blasio ao canal CNN.

Um terço da população americana de quase 330 milhões de habitantes - incluindo as maiores cidades do país como Nova York, Los Angeles ou Chicago - está sob quarentena por ordem de governadores de estados ou prefeitos, com estabelecimentos comerciais não essenciais fechados e concentrações de grupos proibidas.

Mas o presidente Donald Trump se recusa a decretar o isolamento em todo o país, que registra mais de 35.000 casos de Covid-19 e pelo menos 471 mortes.

De Blasio, prefeito da maior cidade americana, com 8,5 milhões de habitantes, disse que espera que esta semana já comece a funcionar um hospital temporário com mil leitos que está sendo construído no Centro de Conferências Jacob Javits em Manhattan, mas afirmou que faltam respiradores e profissionais.

"Se não recebermos respiradores rapidamente, em uma semana ou algo assim, nosso sistema de hospitais públicos não terá respiradores suficientes para manter as pessoas vivas, pessoas que poderiam sobreviver a esta crise", alertou.

"Não teremos profissionais da área da saúde suficientes em Nova York. Vamos precisar da ajuda do exército e de outras partes do país", previu de Blasio.

Trump ordenou no domingo que milhares de leitos de hospitais de campanha sejam instalados nos estados de Nova York, Califórnia e Washington para ajudar os hospitais lotados.

O prefeito de NY, de esquerda, fez um apelo para que o Congresso aprove rapidamente um pacote de estímulo com ajuda direta para os trabalhadores e as cidades mais afetadas pela crise.

"Não podemos dar prioridade nos resgates às companhias aéreas, e grandes corporações", disse.