Prefeito de Porto Alegre cogita consórcio de municípios por vacina contra Covid-19 ao tomar posse

LUCIANO NAGEL
·3 minuto de leitura

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - O prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB), afirmou nesta sexta-feira (1º) que pretende montar um consórcio com cidades vizinhas para adquirir uma vacina contra a Covid-19 caso o governo federal não planeje a imunização. ''Essa questão da vacina é fundamental, mas se o governo federal, que eu acredito que irá comprar a vacina, deixar passar uma vírgula para não comprar, nós vamos fazer um consórcio com as cidades da região metropolitana e vamos comprar a vacina. Porque não há nada mais urgente do que a vacinação para imunizar as pessoas do Rio Grande [do Sul] e de todo o país'', disse Melo, durante a transmissão de cargo no largo Glênio Peres, ao lado do Mercado Público e Paço Municipal. Melo afirmou, contudo, que apostará na conscientização das pessoas frente à transmissão do coronavírus para combater a pandemia sem mexer na economia. ''O mesmo cidadão de Porto Alegre que vai à praia é o que volta para cá. Então, o mundo não provou para mim ainda que manter comércio aberto é fator determinante para ter mais contaminação de Covid. Eu prefiro uma pessoa que venha trabalhar no comércio com distanciamento social, com máscara e álcool em gel do que ficar em seu bairro aglomerado. Eu prefiro um evento controlado do que um evento descontrolado'', disse o prefeito do MDB. Nos próximos dias, Sebastião Melo, junto com sua comitiva, vai a Brasília tratar com o presidente Jair Bolsonaro e o Ministério da Saúde assuntos relacionados à vacinação no Rio Grande do Sul. Melo e o vice-prefeito, Ricardo Gomes (DEM), tomaram posse em solenidade na Câmara Municipal de Vereadores. O evento ocorreu no Plenário Ana Terra onde outros 36 vereadores eleitos passaram a ocupar, a partir de hoje, as cadeiras do Legislativo Municipal. Melo foi eleito no segundo turno com 54,63% dos votos válidos, contra 45,37% da concorrente, Manuela D'Ávila (PCdoB). As cerimônias sofreram algumas alterações, como a redução do número de pessoas, para evitar aglomerações como medida no controle da pandemia. Em Porto Alegre, a disseminação do vírus já causou mais de 1.850 óbitos até a virada do ano. Durante a posse, profissionais da imprensa e convidados não tiveram acesso ao plenário. Em seu discurso na Casa Legislativa, Sebastião Melo ressaltou que será um prefeito de diálogo com a população. 'Vocês terão de mim um prefeito de diálogo. Além disso, nós queremos ter um governo com muita liberdade econômica. Os pequenos negócios não podem mais precisar de alvará nessa cidade. Precisam de automatização. O mundo é digital, mas os governos ainda são analógicos'', declarou Melo. Um dia após a admissão do cargo, no sábado (2) ainda pela manhã, o prefeito se reunirá com todos os secretários da nova gestão. Já no período da tarde, o chefe do Executivo cumprirá agenda externa no município onde visitará o bairro Mário Quintana, na zona norte de Porto Alegre, para ouvir as demandas da comunidade. O setor é um dos mais violentos e apresenta um dos mais baixos índices de desenvolvimento humano (IDH) da capital, segundo dados da prefeitura.