Prefeito de São Paulo dá cargo de confiança para sua tia

Folhapress
Folhapress

Renata da Fonseca Pereira Covas, tia do prefeito de São Paulo Bruno Covas (PSDB), ganhou um emprego na administração municipal atualmente comandada pelo sobrinho.

A advogada de 59 anos foi nomeada para um cargo de confiança na Cohab, estatal responsável pelas políticas públicas de habitação na cidade. Na companhia, ela ocupa a função de assistente no setor jurídico da presidência, com salário de R$ 7.761,37.

Leia também

A admissão se deu em fevereiro de 2017, no segundo mês da gestão tucana. À época, Covas ocupava as funções de vice-prefeito e de secretário de Prefeituras Regionais -o prefeito era João Doria.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo afirma que "Renata da Fonseca Pereira Covas é advogada de formação e não é parente do prefeito Bruno Covas. Ela foi casada com Mário Covas Neto há mais de 20 anos. Portanto, não é correto insinuar que haja nepotismo em sua contratação pela Cohab."

Renata foi casada com Covas Neto, tio de Bruno Covas e atualmente vereador na capital pelo Podemos. A mãe do prefeito, Renata Covas Lopes, é irmã do vereador, e ambos são filhos do governador Mário Covas, morto em 2001.

Ainda que Renata da Fonseca e Mário Covas Neto não sejam mais casados, a relação familiar permanece, já que eles tiveram dois filhos, Silvia, 29, e Mario, 28, primos do prefeito.

Sua contratação foi aprovada pelo Comap (Conselho Municipal de Administração Pública), órgão que analisa as contratações pela administração municipal quanto a eventuais fatores impeditivos como relações de parentesco com membros da prefeitura.

A Constituição veda o nepotismo, prática que ocorre quando um agente público usa de sua posição de poder para nomear, contratar ou favorecer um parente.

Em 2016, durante um julgamento, o ministro Dias Toffoli (STF) afirmou que a situação decorre "da presunção de que a escolha para ocupar cargo de direção, chefia ou assessoramento tenha sido direcionada a pessoa com relação de parentesco com alguém que tenha potencial de interferir no processo de seleção."

Para o advogado Fernando Gaspar Neisser, especialista em direito administrativo, um caso como o de Covas e sua tia não configura nepotismo do ponto de vista técnico. Ele comentou a situação tecnicamente, sem saber os nomes dos envolvidos.

Neisser lembra que o STF fez uma súmula vinculante, em 2008, dizendo que viola a Constituição a contratação de parentes até o terceiro grau. Os graus são calculados a partir da relação direta ascendente ou descendente (pais e filhos) ou com cônjuges. No caso em questão, a relação seria de quarto grau.

Renata tinha relação direta (primeiro grau) com Mário Covas Neto, que tem relação de segundo grau com a irmã (por meio do pai, Mário Covas, então são contados dois graus), e então mais um grau até o sobrinho Bruno.

"Não seria nepotismo mesmo se os tios ainda estivessem casados. A separação aparece como atenuante forte também. Não vejo um elemento de vedação. Não é nepotismo", afirma Neisser. "A discussão desse caso é exclusivamente moral, não tem ilegalidade."

Para Marco Antonio Teixeira, professor de administração pública na FGV, para além da questão técnica, a nomeação fere o princípio da moralidade pública.

"Não é adequado para uma gestão de que se espera impessoalidade em questões dessa natureza. Mesmo que o cargo seja de confiança a gente tem a expectativa de que as pessoas não guardem parentesco com quem nomeia", diz.

"O fato de não haver impessoalidade na indicação é uma questão moral que pode levar a questionamentos ao comportamento do prefeito", completa.

A contratação da tia não é o primeiro caso do tipo na passagem de Covas pela prefeitura.

Em março de 2018, Elisabete Gonçalves Garcia Pires foi nomeada para a SPTrans, responsável pelo gerenciamento do transporte coletivo por ônibus na cidade. O jornal Folha de S.Paulo revelou que ela é mãe de Gustavo Garcia Pires, braço direito de Covas, que exerce a função de secretário-executivo do gabinete do prefeito e é um de seus melhores amigos.

Professora aposentada desde 2012, ela passou a receber um valor bruto de R$ 20.918,88 na prefeitura, onde era responsável pela supervisão e treinamento de estagiários que fazem o atendimento da população.

Em outubro de 2018, Elisabete foi exonerada de seu cargo após recomendação do Ministério Público de São Paulo para que a prefeitura demitisse ela ou o filho. Ela mesma pediu para deixar o posto.

Ricardo Manuel Castro, o promotor que recomendou a demissão de um dos dois, argumentou que havia nepotismo na nomeação de Elisabete. A gestão Covas disse, à época, que não havia submissão hierárquica entre Elisabete e o filho, além do fato de ela ter remuneração maior que a dele.

Da FOLHAPRESS