Prefeitos centro-americanos criticam mineração que afeta rio estratégico

Prefeitos de cidades da Guatemala, El Salvador e Honduras, expressaram nesta terça-feira (7) sua oposição à exploração de uma mina em território guatemalteco por contaminar o estratégico rio Lempa que percorre os três países e abastece de água a 4,5 milhões de pessoas.

Reunidos na Comunidade Trinacional Rio Lempa, que inclui 26 municípios, os prefeitos garantem que a mina, antes explorada pela empresa "Entremares S.A", agora é administrada pela canadense "Bluestone Resources" que "pretende" mudar os métodos subterrâneos com túneis por mineração a céu aberto.

Para os prefeitos, esta modalidade "é mais destrutiva" e os danos ao meio ambiente, água e ecossistemas "são irremediáveis e irreversíveis" por utilizar grandes quantidades de cianeto e arsênico para separar o ouro do resto de material removido.

Em 14 anos, segundo nota da Comunidade Trinacional, a mina Cerro Blanco " tem causado a contaminação da bacia Ostúa-Guija-Lempa colocando em risco" a população dos três países e "está secando as fontes de água" das cidades guatemaltecas de Asunción Mita.

Com 422 quilômetros, o Lempa nasce na Guatemala (30,4 km), segue por Honduras (31,4 km) e desemboca no Pacífico de El Salvador (360,3 km).

cmm/cjc/jc/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos