Prefeitura confirma retorno às escolas de alunos do 9º ano nesta terça-feira, apesar de professores decidirem manter greve

Yasmin Setubal
·2 minuto de leitura
Foto: Gabriel Monteiro / Agência O Globo
Foto: Gabriel Monteiro / Agência O Globo

Depois de oito meses sem aulas presenciais por conta da pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura do Rio anunciou que nesta terça-feia (17) estudantes do último ano do Ensino Fundamental regressam às 427 escolas da rede municipal. O Sindicato Estadual dos Professores de Educação (Sepe), no entanto, defende a permanência do ensino remoto. Na noite desta segunda-feira, em assembleia virtual, 84% dos 291 professores presentes decidiram manter a greve da categoria em relação à volta às salas de aula.

— A prefeitura quer dar um tom de normalidade, apontando que a decisão dela de abrir as escolas é acertada e que foi corroborada pelos profissionais. Isso é uma inverdade — criticou Gustavo Miranda, coordenador-geral do Sepe.

A prefeitura diz que apenas 1% dos 55 mil professores da rede municipal aderiram ao movimento, o que não inviabilizaria o retorno das atividades presenciais. Isabel Costa, outra coordenadora-geral do Sepe, rebate, afirmando que a conta do município considera também os profissionais do grupo de risco, que já não retornariam às unidades.

Para essa volta anunciada, a Secretaria municipal de Educação determinou novos protocolos para reduzir o risco de contágio, dividindo as turmas e diminuindo a carga horária dos funcionários e alunos, que agora passarão a estudar quatro dias na semana.

A Secretaria de Educação calcula que 61 mil jovens estejam no último ano do Fundamental. No entanto, apenas os que não apresentarem comorbidades que agravam o quadro do coronavírus poderão voltar às salas de aula. Os próprios estudantes, pais e responsáveis também têm a possibilidade de optar pela permanência do ensino remoto, que será ministrado pelos professores que também se encaixam nessas condições.

A carga horária dos alunos da manhã e da tarde no modelo presencial foi adaptada ao contexto da pandemia, com aulas às segundas, terças, quintas e sextas-feiras, durante três horas por dia. As quartas-feiras foram programadas para a higienização das unidades pelas equipes de limpeza. Além disso, as turmas serão divididas em grupos A e B, como tentativa de evitar aglomeração.

Em nota, a secretária de Educação, Talma Suane, disse que muitos responsáveis aguardavam “com grande expectativa” a volta às aulas. A retomada das atividades pelos alunos do 9º ano está dentro do último estágio do plano de flexibilização do município.