Prefeitura e governo de SP organizam ação para desmontar acampamento de bolsonaristas radicais no Ibirapuera

O desmonte dos acampamentos bolsonaristas radicais na cidade de de São Paulo ocorrerá nesta segunda-feira em uma ação conjunta do governo paulista com a prefeitura de São Paulo.

Mais: Polícia Civil diz que 260 terroristas já foram presos em flagrante por invasão aos Poderes

Leia: No dia seguinte aos atos terroristas, cenário é de destruição na Praça dos Três Poderes

O GLOBO apurou que a parceria foi acertada na manhã desta segunda, após uma ligação entre o titular da Secretaria da Segurança de São Paulo, Guilherme Derrite, e o prefeito Ricardo Nunes (MDB).

A desmobilização de acampamentos golpistas foi determinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Moraes deu até 24 horas para a a dissolução total dos acampamentos realizados nas imediações dos quartéis generais e outras unidades militares para a prática de atos antidemocráticos e prisão em flagrante de seus participantes.

A gestão municipal irá fornecer equipes para a remoção de barracas e demais itens dos apoiadores radicais do ex-presidente, instalados em frente ao Comando Militar do Sudeste, ao lado da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Além da Guarda Municipal de São Paulo, Nunes colocou à disposição do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) caminhões e equipes de limpeza para atuarem no local.

O deputado Carlão Pignatari (PSDB), presidente da Alesp, disse que a remoção do acampamento começará ainda pela manhã desta segunda-feira.

— A ocorrência deverá se estender ao longo do dia e à noite, haja vista que os manifestantes normalmente começam a chegar mais tarde – afirmou.

Outros acampamentos no estado

O secretário da Segurança Pública de São Paulo, capitão Guilherme Derrite (PL), disse nesta segunda-feira que vai cumprir a ordem judicial do ministro Alexandre de Moraes e desmontar os 34 acampamentos de bolsonaristas radicais espalhados pelo estado. Em afirmou, em coletiva de imprensa, que a desmobilização ocorrerá a partir do "diálogo", na esperança de que "tudo se resolva sem uso escalonado da força".

-- Vamos cumprir a ordem judicial. Agora, a maneira como ela vai ser cumprida vai ser o diferencial de São Paulo. A orientação do governador (Tarcísio de Freitas) é de que seja feita de maneira pacífica -- disse Derrite, acrescentando que os atos em São Paulo "não guardam relação com o que ocorreu em Brasília".

De acordo com o secretário, a desmobilização vai ocorrer ao longo do dia de hoje. Um gabinete de crise foi instalado no Copom, e o policiamento nas sedes dos três governos foi reforçado ainda na noite de domingo.

— Vamos, através do diálogo, informar aos manifestantes que existe uma ordem judicial de desmobilização dos acampamentos. Isso vai acontecer. A ordem judicial será cumprida com a maior tranquilidade possível, justamente pela certeza de que os manifestantes aqui de São Paulo estão realizando suas manifestações de forma pacífica — disse o capitão.

Aliado de Jair Bolsonaro, Derrite chamou os atos de vandalismo que ocorreram em Brasília de "manifestações". Afirmou, ainda, que o acampamentos ao lado da Alesp "cumpre o que o ordenamento jurídico e a própria Constituição garantem: a manifestação pacifica".

— São Paulo não encontra similaridade com Brasília. Os manifestantes estão tranquilos.