Prefeitura do Rio faz operação para retirar veículos que funcionam como depósito na orla da Zona Sul

É comum ver kombis, vans e caminhonetes funcionarem como depósito de mercadorias estacionadas na orla do Rio. A prática, no entanto, é proibida. Para coibir a ação e evitar a ocupação indevida de vagas, a Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria de Ordem Pública (Seop), tem feito a remoção desses veículos das vias da orla e do primeiro quarteirão das ruas perpendiculares.

De acordo com a Seop, a fiscalização é contínua, mas se intensifica com a proximidade do verão, período em que as praias ficam mais cheias. Na última semana, a secretaria afirma ter realizado cerca de 26 autuações, além de remover quatro caminhões, oito kombis, três vans e apreender outros nove veículos. A resolução que proíbe o estacionamento de vans, kombis, furgões e similares próximo às praias da Zona Sul e da região da Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes foi publicada pela Secretaria Municipal de Transportes em 2013.

O mapeamento dos veículos, que muitas vezes ficam totalmente abandonados na orla ou nas ruas dos quarteirões, teve apoio da subprefeitura da Zona Sul, que aproveitou um dia de domingo, com maior movimentação nas praias, para localizar e registrar a posição dos veículos nas ruas entre Copacabana e Leblon. A intenção da operação, segundo o subprefeito da Zona Sul, Flávio Valle, não é impedir a carga e descarga do material comercializado pelos ambulantes.

— A gente não é contra fazer carga e descarga, mas tem que ter um ordenamento mínimo. Só tem que fazer um pouco mais longe, e não na beira da praia. Não dá para fazer a remoção de um dia para o outro, a Seop está fazendo dia por dia. Alguns desses veículos ficam sempre e outros são itinerantes — explica o subprefeito.

Nesta quarta-feira, O GLOBO percorreu as praias da Zona Sul e identificou veículos com as características da proibição em pontos do Leme, de Copacabana e de Ipanema. Um deles, uma kombi, estava parada em uma vaga da Avenida Vieira Souto com cadeiras de praia empilhadas em cima.

Quando a Seop identifica a irregularidade, é feita uma notificação e, depois do prazo de 20 a 30 dias, há a remoção do veículo. Algumas das vans e kombis irregulares localizadas pela prefeitura sequer funcionam. Muitas delas estão até mesmo enferrujadas. A ideia da operação é garantir, também, que as vagas fiquem livres para as pessoas que transitam pela orla. De acordo com o secretário de Ordem Pública da prefeitura, Brenno Carnevale, as regiões abrangidas pela operação são os “cartões postais” da cidade.

— A gente tem um olhar muito criterioso para esse tipo de situação, porque a gente precisa trazer ordenamento para a cidade e cuidar para que o ambulante regularizado seja respeitado. A prefeitura tem um olhar de ordenamento principalmente nas orlas, que são cartões postais da nossa cidade, aprazíveis e frequentados por turistas e cariocas, então precisa ser um lugar ordenado e absolutamente seguro para as pessoas — diz Carnevale.