Prefeitura do Rio promete terceira dose para idosos de asilos a partir de 1º de setembro

·3 minuto de leitura
Foto: REUTERS/Pilar Olivares
Foto: REUTERS/Pilar Olivares
  • Capital fluminense se apressa para oferecer terceira dose a idosos

  • Aplicação de dose de reforço é recomendação de grupo de especialistas da gestão Paes

  • Avanço da variante Delta é grande preocupação na capital fluminense

A Prefeitura do Rio vai oferecer a terceira dose da vacina contra o coronavírus a partir do dia 1º de setembro para idosos que moram em instituições de longa permanência. A novidade foi anunciada pelo secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, durante uma live com o prefeito Eduardo Paes na noite desta terça-feira. Na próxima sexta-feira, deve ser divulgado o calendário da terceira dose para todos os cariocas maiores de 60 anos.

Idosos que moram em instituições de longa permanência receberão a dose de reforço entre os dias 1 e 10 de setembro. Esse grupo foi o primeiro a receber a vacina, no dia 20 de janeiro. A aplicação da terceira dose foi recomendada pelo Comitê Científico da prefeitura na reunião de segunda-feira. De acordo com Soranz, essa possibilidade já estava prevista desde o início da vacinação.

Leia também:

— A gente tinha o planejamento há algum tempo. A gente sabia que ia precisar de uma dose de reforço para todas as vacinas, A Moderna foi a primeira a apresentar essa situação. Agora, Israel está fazendo com a Pfizer. Chile está fazendo a terceira dose em cima da Coronavac com Astrazeneca e Pfizer. A gente já sabia que os idosos têm mais dificuldade para produzir anticorpos. Isso era previsível. Desde o início já tinha essa discussão — explicou Soranz.

Eduardo Paes aproveitou a deixa para afirmar que, neste momento, é mais importante aplicar a terceira dose nas pessoas mais velhas do que antecipar a segunda dose nas pessoas mais novas.

Durante a live também foi abordado o tema do "passaporte da vacina".

— Essa é uma discussão quente em outros países e poucos políticos têm coragem de comprar essa briga — disse Soranz.

Embora não tenha anunciado formalmente a criação de um "passaporte da vacina", o secretário afirmou que tem criado uma série de medidas para incentivar a vacinação.

— Criamos uma série de medidas para isso, como por exemplo fazer com que as pessoas que estão cadastradas no Cartão Família Carioca tenham que se vacinar. Além disso, já é obrigatório para outras vacinas, como sarampo, ter a vacina de Covid — afirmou o secretário, acrescentando que ainda há uma grande quantidade de pessoas que são internadas sem ter recebido nenhuma dose da vacina.

RJ tenta se previnir contra atraso de imunizantes

Foto: REUTERS/Ricardo Moraes
Foto: REUTERS/Ricardo Moraes

A terceira dose da vacina para idosos também foi discutida nesta terça-feira na Câmara Municipal. Os vereadores aprovaram em segunda discussão o projeto de lei 565/2021, da vereadora Teresa Bergher (cidadania), que propõe a terceira dose da vacina contra Covid-19. O pl autoriza o município a comprar as vacinas diretamente do laboratório, caso o ministério público não entregue as doses para o reforço.

— Não podemos mais esperar. O nosso objetivo é pressionar as autoridades a aplicar o mais rapidamente possível o reforço da terceira dose nos idosos. Se o ministério da saúde não enviar as vacinas, o município poderá comprar diretamente dos laboratórios, o que já foi devidamente autorizado pelo supremo tribunal federal —, disse Teresa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos