Prefeitura do Rio vai convocar 200 enfermeiros e 80 técnicos de enfermagem do banco de concursados

Luiz Ernesto Magalhães

A prefeitura do Rio vai convocar 200 enfermeiros e 80 técnicos de enfermagem de um banco de concursados da Secretaria municipal de Saúde para trabalhar de imediato na rede pública do Rio. Em tese, pela legislação, eles têm 45 dias para tomar posse e comparecer ao local indicado.

- Mas acreditamos que, com a epidemia, haverá um interesse grande desses profissionais e o processo de entrada na rede será acelerado - disse o subsecretário geral executivo da Secretaria municipal de Saúde, Jorge Darze, em coletiva nesta quinta-feira na Cidade das Artes, na Barra.

Reforço: Prefeitura do Rio pede ao governo federal 400 profissionais do Programa Mais Médicos

A prefeitura também decidiu manter a frota de ônibus da liberdade - usada para transportar alunos da Zona Oeste às escolas - como reserva para o caso de profissionais de saúde terem dificuldade de chegar aos locais de trabalho, caso a epidemia se agrave e faltem coletivos normais.

A secretaria Municipal de Saúde convocou, para esta sexta-feira, uma reunião com os fornecedores no Riocentro para tentar garantir que não haja interrupção no fornecimento de produtos. Jorge Darze admitiu a preocupação de que fornecedores tentem uma barganha para receber dívidas antigas:

- Nós estamos em uma situação de calamidade pública - disse Darze.

Compartilhe por WhatsApp:clique aqui e acesse um guia completo caibre  o coronavírus

A secretária municipal de Assistência Social, Tia Ju, disse que a prefeitura avalia tecnicamente adaptar as escolas do Sambódromo como um grande abrigo para a população de rua.

- A vantagem do Sambódromo é que boa parte dos moradores de rua da cidade se concentra no Centro do Rio - disse Tia Ju.

Com a decisão da Justiça de proibir a abertura de escolas para a distribuição de merendas, a prefeitura passou a fazer a entrega de alimentos em domicílio. O total de crianças atendidas no entanto chega a 400, número bem menor que o número informado anteriormente: cerca de mil.

Na reunião na Cidade das Artes, alguns convidados, como o vereador Major Eritusalem (PSC), usavam máscaras, o que não é indicado para quem não está doente. A todo momento, funcionárias do cerimonial ofereciam álcool em embalagens em spray para os convidados, que foram usados durante todo o tempo em que durou a entrevista do prefeito.