Prefeitura de São Paulo manda para a Câmara projeto para atualizar valor do IPTU

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 14.06.2021 - O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB). (Foto: Karime Xavier/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 14.06.2021 - O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB). (Foto: Karime Xavier/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O prefeito Ricardo Nunes (MDB) enviou, nesta terça-feira (5), à Câmara Municipal de São Paulo o projeto de correção da base de cálculo do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano).

A cada quatro anos, os prefeitos devem corrigir a PGV (Planta Genérica de Valores), atualizando valores venais dos imóveis na cidade, conforme a valorização ou desvalorização de cada um deles.

De acordo com a prefeitura, a proposta prevê um aumento máximo limitado pela inflação para os anos de 2022 e 2023. Segundo nota enviada pela gestão, o aumento é menor do que o previsto atualmente, "o que significaria a ausência de aumento real do IPTU para esses anos".

O comunicado não detalha se há aumento previsto para anos posteriores, entre outros aspectos.

A gestão diz ainda que foram atualizadas as faixas de isenção e imposto de IPTU.

"Atualmente, para ter direito à isenção total de IPTU (entre outros critérios) o imóvel deve ter valor venal de até R$ 160 mil. O novo valor máximo do imóvel para isenção de IPTU, se aprovado pelos vereadores, passaria a R$ 230 mil", diz a administração em nota.

Segundo a prefeitura, o valor máximo para desconto no IPTU por valor venal também poderia aumentar pela proposta, passando de R$ 320 mil para R$ 345 mil.

A administração diz que em 2021 a cidade tinha 1,1 milhão de imóveis isentos e outros 668 mil com descontos.

A prefeitura também enviou à Câmara Municipal um projeto de redução de imposto para setores econômicos com potencial de geração de empregos.

A proposta prevê a redução do Imposto Sobre Serviços para franquias, intermediação de serviços de entrega e transporte de passageiros por plataformas digitais, intermediação de aluguéis e administração de imóveis por plataformas digitais e audiovisual, com estímulo à vocação de São Paulo na indústria cultural e economia criativa.

Além disso, segundo a gestão, a medida visa retenção e atração de novas empresas.

"Os prestadores dos serviços impactados pela proposta de redução de alíquota de ISS teriam esse incentivo para a continuidade e fortalecimento de suas atividades, bem como para a manutenção ou instalação de suas bases produtivas na cidade de São Paulo. A previsão da Prefeitura é que a medida incentive a abertura de novos postos de trabalho, aumente a renda dos trabalhadores e resulte num incremento da arrecadação de ISS na capital", diz a prefeitura, em nota.

A administração também desistiu de criar uma taxa do lixo. "A proposta, que foi analisada e debatida em seminário realizado pela prefeitura, foi retirada do texto que será enviado à Câmara por determinação do prefeito Ricardo Nunes. Desta forma, os serviços de varrição e coleta continuarão a ser financiados com outros recursos do Tesouro Municipal", diz a nota.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos