Prefeitura de São Paulo retoma marcação gradual de consultas em UBSs

·2 minuto de leitura
SÃO PAULO, SP, 29.06.2021 - ESTÁDIO-PACAEMBU: O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), durante entrevista coletiva para anunciar o início das obas da concessão do estádio do Pacaembu, na capital paulista, com a demolição do tobogã. A cerimônia de anúncio das obras acontece no salão social do estádio, nesta terça-feira. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 29.06.2021 - ESTÁDIO-PACAEMBU: O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), durante entrevista coletiva para anunciar o início das obas da concessão do estádio do Pacaembu, na capital paulista, com a demolição do tobogã. A cerimônia de anúncio das obras acontece no salão social do estádio, nesta terça-feira. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O agendamento de consultas, exames e procedimentos médicos na rede de atenção básica e especializada da cidade de São Paulo, suspensos desde março, está sendo retomado gradualmente. A medida consta de uma portaria publicada no dia 24 deste mês no "Diário Oficial da Cidade".

Devido à pandemia do novo coronavírus, estavam suspensos os atendimentos presenciais nas AMAs (Assistência Médica Ambulatorial) Especialidades e exames em hospitais e cirurgias eletivas, aquelas sem urgência. Mesmo durante a pandemia, o atendimento continuou a ser feito aos idosos, crianças de até até 2 anos de idade, grávidas e puérperas e pessoas com doenças crônicas.

Com a medida anunciada pela Prefeitura de São Paulo, serão retomados, de forma gradual, atendimento médico e o prestado por enfermeiros, o trabalho das chamadas equipes multiprofissionais, formada por educadores físicos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas, farmacêuticos, fonoaudiólogos e assistentes sociais. O serviço de odontologia prestado em UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e nas UOMs (Unidades Odontológicas Móveis) também voltará a ser disponibilizado.

O decreto prevê que 50% dos horários da agenda serão por meio de teleconsultas, e os outros 50%, presenciais.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o tempo clínico em consultas presenciais será otimizado. "Visando ao atendimento de demandas clínicas e de prótese, de forma intercaladas com as demandas espontâneas de urgência que já vêm sendo atendidas seguindo normas de segurança contra a Covid-19 e com serviços odontológicos reorganizados", informa a pasta.

A marcação de consultas marcadas presencialmente seguem todos os protocolos de biossegurança.

A prefeitura afirma que todas as modalidades da rede de atenção básica e especializada podem ser feitas por teleconsulta, com orientações quando necessário, como no caso de odontologia.

Os teleatendimentos são feitos pelo aplicativo e-saúdesp, criado em junho de 2020. Via plataforma, incluindo telemonitoramentos e teleconsultas, que é quando a unidade entra em contato com o usuário, são, ao todo, até 20 de junho, 136.916 atendimentos. Segundo a prefeitura, o aplicativo soma 1.588.431 acessos, além de 314.187 usuários cadastrados na plataforma.

As visitas domiciliares serão mantidas quando necessário, respeitando as orientações de segurança. Os atendimentos coletivos podem ser realizados de forma virtual ou presencial nos equipamentos onde a atividade em grupo é essencial ou prioritária.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos