Prefeitura de SP anuncia fim da greve de ônibus após acordo com empresas

A Prefeitura de São Paulo informou que a greve de motoristas e cobradores de ônibus foi encerrada a partir de 15h20m e que as 713 linhas de ônibus afetadas voltarão a operar gradativamente até o fim do dia. Segundo a SPTrans, houve acordo em negociação entre trabalhadores e empresários. Seis das 15 empresas que estavam paralisadas, acrescentou, já começaram a retomar a operação - Express (zona Leste), Via Sudeste (zona Sudeste), KBPX (zona Sul), Gatusa (zona Sul), Viação Metrópole (zona Sul) e Transppass (zona Oeste)

O prefeito Ricardo Nunes (MDB) afirmou que a Prefeitura liberou verba para as empresas, que vão atender a reivindicação da categoria e aumentar os salários retroativamente. O aumento é de 12,47%, a partir de maio. O mesmo percentual será aplicado ao vale-refeição. As empresas queriam aplicar o aumento apenas a partir de outubro.

A greve foi iniciada às 4 horas da madrugada e afetou pelo menos 1,5 milhão de pessoas apenas na parte da manhã. Este é o número de passageiros transportados no horário de pico pelos 6.500 ônibus que ficaram parados, em 713 linhas na cidade. Durante a madrugada, apenas 45 das 150 linhas funcionaram.

A Justiça do Trabalho havia determinado que os trabalhadores mantivessem 80% da frota operando, no horário de pico e a Prefeitura afirmou que a decisão foi descumprida.

O rodízio de veículos foi suspenso e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) liberou faixas e corredores de ônibus ao longo de todo o dia. Linhas de ônibus foram estendidas para levar passageiros até estações do metrô e de trem, que operaram lotados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos