Prefeitura de SP interdita 368 estabelecimentos não essenciais

CLAUDINEI QUEIROZ

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (13) que a Secretaria Municipal das Subprefeituras já interditou 368 estabelecimentos não essenciais da capital por não acatarem a decisão de fechamento durante o período de quarentena. A região da Sé foi a que teve mais fechamentos: 135, seguida por Aricanduva, com 34, e Mooca e Freguesia do Ó, ambas com 27.

Além de terem suas lojas fechadas até o fim da quarentena, o comerciante ainda tem de pagar uma multa de R$ 9.200. Em caso de resistência, ele pode até ter cassado o alvará de funcionamento ou Termo de Permissão de Uso/Autorização Temporária.

Segundo a Gestão Bruno Covas (PSDB), o objetivo da fiscalização não é multar os estabelecimentos, mas garantir que os não essenciais fiquem fechados para evitar aglomerações de pessoas durante o período de quarentena.

O governo esclarece que a fiscalização é realizada diariamente nas 32 subprefeituras da capital.