Prefeitura de SP vai diminuir de 24 para 5 os hospitais de referência para Covid-19

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 24/02/2021: Hospital Municipal da Brasilândia, na zona norte de São Paulo, que é referência em atendimento de casos de Covid-19 na capital paulista. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 24/02/2021: Hospital Municipal da Brasilândia, na zona norte de São Paulo, que é referência em atendimento de casos de Covid-19 na capital paulista. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Prefeitura de São Paulo estuda diminuir nesta semana de 24 para 5 o número de hospitais de referência para atendimento e tratamento a pacientes com Covid-19 na cidade. A medida, segundo o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, resulta da estabilização dos casos do vírus e de internações por causa da doença na rede municipal.

Boletim divulgado neste domingo (29) pela gestão Ricardo Nunes (MDB) afirma que 34% dos leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) para o coronavírus na rede municipal estavam ocupados na cidade e 22% das vagas em enfermaria.

De acordo com o documento, a rede tinha no domingo 562 pessoas internadas por causa da doença em hospitais municipais. Em 29 de julho eram 826, ou seja, houve queda de 32% nas hospitalizações.

"Temos 28 hospitais, dos quais 24 são atualmente referência para Covid-19. Nesta semana, vamos mudar para 5, que irão atender e internar pacientes com Covid", afirmou. "Mas todas as unidades de saúde têm porta para atendimento [às pessoas com coronavírus], de onde serão encaminhadas para os hospitais de referência", explicou Aparecido.

O secretário não especificou quando a mudança irá ocorrer, mas falou que "em breve, nesta semana" as unidades de referências para pessoas com Covid-19 passarão a funcionar nas regiões de São Miguel Paulista (zona leste), Guarapiranga (zona sul), Mooca (região sudeste), Liberdade (central) e Brasilândia (zona norte).

Segundo ele, todos os hospitais da rede continuam a realizar atendimento primário às pessoas com suspeita de Covid-19. Porém, com a constatação de que estão com o vírus, os pacientes serão direcionados para o hospital de referência mais próximo. "Com isso, os hospitais voltam ao funcionamento normal", afirmou.

Aparecido acrescentou que algumas unidades, sem especificar quais, serão referência para pacientes com sequelas decorrentes do vírus.

Com 100% da população adulta já vacinada com a primeira dose contra a Covid-19, o prefeito Ricardo Nunes afirmou, em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (30), na UBS (Unidade Básica de Saúde) Veleiros, região de Socorro (zona sul), que 55% dos paulistanos também já tomaram a segunda dose do imunizante.

Nesta segunda, adolescentes sem comorbidades, entre 15 e 17 anos, começaram a ser vacinados na cidade. Na semana passada, jovens com comorbidades a partir dos 12 anos, além de adolescentes com deficiência permanente, grávidas e puérperas também iniciaram a imunizçaão.

Até domingo (29), 26% do público menor de idade na cidade havia sido vacinado, acrescentou a prefeitura. Nesta etapa da campanha, a Prefeitura de São Paulo espera vacinar 411.662 jovens de 15 a 17 anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos