Inglaterra entra em novo lockdown em decorrência da Covid-19 com aumento de casos

William Schomberg e Elizabeth Piper
·2 minuto de leitura
.

Por William Schomberg e Elizabeth Piper

LONDRES (Reuters) - O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, determinou nesta segunda-feira que a Inglaterra entre em um novo lockdown nacional para tentar desacelerar o aumento de casos da Covid-19, que ameaça sobrecarregar partes do sistema de saúde antes que um programa de vacinação alcance uma massa populacional expressiva.

Johnson disse que uma nova variante mais contagiosa do coronavírus está se propagando em grande velocidade e uma ação urgente se fazia necessária para retardá-la.

"No momento em que falo a vocês nesta noite, nossos hospitais estão sob mais pressão pela Covid do que em qualquer momento desde o início da pandemia", disse Johnson em um pronunciamento televisionado à população.

"Com a maior parte do país já sob medidas extremas, é claro que precisamos fazer mais, juntamente, para colocar essa nova variante sob controle.

"Nós precisamos, portanto, entrar em um lockdown nacional, o que é duro o suficiente para conter essa variante. Isso significa que o governo, mais uma vez, está orientando você a ficar em casa."

Johnson disse que as medidas incluirão o fechamento de escolas a partir desta terça-feira e regras que obrigam a maioria das pessoas a permanecerem em casa, com algumas exceções, como compras essenciais, prática de exercícios, entre outras.

Ele disse que se o cronograma do programa de vacinação ocorrer conforme o planejado e o número de casos e óbitos responderem às medidas de lockdown como projetado, deve ser possível começar a migrar do regime de lockdown a partir de meados de fevereiro.

No entanto, ele solicitou cautela quanto ao cronograma.

Conforme o Reino Unido enfrenta o sexto maior número de mortes em termos mundiais --mais de 75.000 pessoas morreram da doença no país-- e os casos de coronavírus atingem um novo recorde, autoridades médicas afirmam que a propagação da Covid-19 coloca em risco sobrecarregar o sistema de saúde do Reino Unido dentro de 21 dias.

O aumento de casos tem sido impulsionado pela nova variante da Covid-19, afirmam as autoridades, e embora reconheçam que a pandemia está se propagando mais rapidamente do que o esperado, elas dizem que também há uma luz no fim do túnel, a vacinação.

O governo de Johnson anunciou mais cedo um "triunfo" científico quando o Reino Unido se tornou o primeiro país do mundo a começar a vacinar sua população com o imunizante da Universidade de Oxford e AstraZeneca contra a Covid-19.

O paciente de diálise Brian Pinker, de 82 anos, recebeu a primeira injeção Oxford/AstraZeneca fora de um ensaio clínico.

"Estou muito satisfeito por tomar a vacina contra Covid hoje e muito orgulhoso por ter sido inventada em Oxford", disse Pinker, um gerente de manutenção aposentado, a apenas algumas centenas de metros de onde a vacina foi desenvolvida.

(Reportagem adicional de Estelle Shirbon, Alistair Smout e Guy Faulconbridge)