Premiê britânico diz que vacinação contra Covid-19 continuará voluntária e ataca movimento antivacinas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, fala no Parlamento
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Boris Johnson
    Boris Johnson
    Político britânico, Primeiro-Ministro do Reino Unido

LONDRES (Reuters) - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse nesta quinta-feira que as vacinas contra a Covid-19 não passarão a ser obrigatórias, embora membros do movimento antivacinas estejam convencendo pessoas a não tomarem as doses.

Johnson disse que quer convencer as pessoas hesitantes sobre vacinas a tomá-las, mas a tarefa se torna mais complicada por pessoas que espalham desinformação.

"Eu quero uma abordagem voluntária neste país, e vamos manter uma abordagem voluntária... outros países europeus estão indo para a coerção", disse Johnson a jornalistas.

"Mas que tragédia que temos toda essa pressão sobre o NHS (Serviço Nacional de Saúde) e temos pessoas espalhando coisas completamente sem sentido sobre a vacinação. E acredito que seja hora de eu e o governo chamarmos a atenção deles pelo que estão fazendo. É absolutamente errado. Totalmente contraproducente."

(Reportagem de Alistair Smout)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos