Premiê do Japão diz que pode atuar como chanceler até novo gabinete ser formado

·1 min de leitura
Premiê do Japão, Fumio Kishida, discursa durante conferência climática da ONU em Glasgow

TÓQUIO (Reuters) - O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, disse nesta quinta-feira que pode assumir o papel de ministro das Relações Exteriores até um novo gabinete ser formado neste mês, já que o chanceler que ocupava o posto assumiu um cargo essencial no partido governista.

Também nesta quinta-feira, o Partido Liberal Democrata (PLD) confirmou oficialmente o ministro das Relações Exteriores, Toshimitsu Motegi, como secretário-geral da sigla, o segundo posto mais importante do partido e um cargo poderoso que inclui a formulação de políticas.

"Até o novo gabinete, estou pensando em trabalhar também como ministro das Relações Exteriores", disse Kishida, que já desempenhou a função, aos repórteres.

Kishida levou o PLD a resultados melhores do que o esperado em uma eleição no domingo, quando o partido manteve sua maioria robusta na câmara baixa do Parlamento.

Motegi disse que se concentrará em tarefas como a recuperação da economia abalada pela pandemia e em uma reforma partidária para aumentar a diversidade, prometendo elaborar políticas com rapidez.

"É muito importante mostrar que o PLD está mudando enquanto implantamos o que podemos rapidamente e ao mesmo tempo apresentamos o quadro geral", disse Motegi.

Ele disse que o partido governista debaterá os detalhes de um orçamento extra com seu colega minoritário de coalizão para criar medidas econômica "ricas e gratificantes".

(Por Ju-min Park e Elaine Lies)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos