Premiê japonês pede aumentos salariais mais rápidos para evitar estagflação

Primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, conversa com a imprensa em Tóquio

Por Yoshifumi Takemoto e Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, pediu nesta quinta-feira aos líderes empresariais que acelerem os aumentos salariais, alertando que a economia corre o risco de cair em estagflação se os salários não acompanharem os avanços dos preços.

"Há sinais indicando que a estagflação surge se o crescimento salarial ficar atrás dos aumentos de preços", disse Kishida em um encontro de Ano Novo com três grandes lobbies empresariais.

A estagflação é uma combinação de baixo crescimento econômico e alta da inflação, prejudicando o poder de compra das famílias.

"O núcleo de um ciclo econômico virtuoso está no crescimento dos salários. Estou pedindo aumentos salariais que superem a inflação e o governo apoiará esses esforços", disse Kishida.

Ele disse que as diretrizes serão elaboradas em junho para aumentar a flexibilidade no mercado de trabalho, tornando-o mais atraente para os trabalhadores, acostumados com a noção de empregos vitalícios, a mudar de emprego e se mudar para setores de alto crescimento.

O governo está se comprometendo a gastar 1 trilhão de ienes (7,5 bilhões de dólares) nos próximos cinco anos na requalificação de trabalhadores, ao mesmo tempo em que incentiva as empresas a flexibilizar as escalas salariais.