Premier canadense diz ter informação de que Irã derrubou avião ucraniano

O premier Justin Trudeau chega a entrevista coletiva em Ottawa (AFP)

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, anunciou nesta quinta-feira (9) que várias fontes de Inteligência, incluindo os serviços canadenses, sugerem que o Boeing 737 que caiu na véspera perto de Teerã foi "derrubado por um míssil terra-ar iraniano".

"Temos informação de múltiplas fontes, incluídos nossos aliados e nossos serviços", que "indica que o avião foi derrubado por um míssil terra-ar iraniano. Pode ser que não tenha sido intencional", disse Trudeau em coletiva de imprensa.

Leia mais sobre o conflito entre Estados Unidos e Irã

O premiê canadense insistiu em que estes últimos acontecimentos "reforçam a necessidade de uma investigação exaustiva sobre este assunto".

"Como disse ontem, os canadenses têm perguntas e merecem respostas", disse.

O desastre, que resultou na morte de 176 pessoas, incluindo 63 canadenses, ocorreu pouco depois de Teerã disparar mísseis contra bases militares utilizadas pelo Exército americano no Iraque.

O voo PS752, da Ukrainian International Airlines (UIA), decolou no começo da manhã de quarta-feira de Teerã (hora local, noite de terça no Brasil), com destino a Kiev, mas caiu logo depois.

O presidente americano, Donald Trump, expressou nesta quinta suas "suspeitas" sobre as causas do ocorrido quando, segundo vários veículos, a Inteligência americana está cada vez mais convencida de que o avião foi derrubado pelo Irã por engano.

Vídeo mostra suposto ataque

O New York Times divulgou um vídeo nesta quinta-feira (9) que parece mostrar um míssil atingindo o avião ucraniano que se acidentou pouco após decolar em Teerã, deixando 176 mortos.

De acordo com a publicação americana, que alega ter verificado o vídeo, o míssil iraniano acertou a aeronave em uma região próxima ao aeroporto de Teerã onde o avião transmitiu sinais pela última vez.

Pentágono acredita em ‘acidente’

O voo ucraniano que caiu logo após deixar Teerã, capital do Irã, foi derrubado por um sistema de bateria antiaérea dos iranianos. As informações são da Newsweek, que afirma ter tido confirmações de fontes do Pentágono, de oficial da inteligência norte-americana e de fontes da inteligência do Iraque.

As informações sobre os mísseis iranianos foram também confirmadas pela rede de televisão CBS. No voo atingido estavam 176 pessoas que morreram, incluindo um total de 63 canadenses.

Os três oficiais que falaram à Newsweek afirmam não poder falar publicamente sobre o assunto. A publicação, no entanto, garante que eles afirmam se tratar de um Tor-M1, sistema construído na Rússia e conhecido pela Tan como Gaunlet.

Ainda de acordo com a publicação norte-americana, a fonte vinda do Pentágono afirma que a avaliação do órgão militar norte-americano é de que o incidente ocorreu de maneira acidental. Segundo ele, provavelmente aeronaves antiaéreas do Irã estavam ativas após ataques com mísseis no país.

Como as informações não são oficiais, outros cenários para o incidente continuam sendo investigados. Entre eles, uma colisão com um veículo aéreo não tripulado ou até um não identificado. Os especialistas não descartam ainda falha de funcionamento técnico e até mesmo um ataque terrorista.