Premier demissionário do Líbano aceita convite para viajar à França

(Setembro) O presidente francês, Emmanuel Macron, recebe o então premier Saad Hariri em Paris

O primeiro-ministro demissionário libanês Saad Hariri, "aceitou o convite" do presidente francês, Emmanuel Macron, para viajar à França, mas a data da visita depende deles, afirmou nesta quinta-feira em Riad o ministro francês das Relações Exteriores.

O homem forte da Arábia Saudita, o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, foi informado, indiciou o chanceler Jean-Yves Le Drian aos jornalistas.

"Hariri aceitou o convite do presidente da República para viajar à França", disse Le Drian.

"Vai à França e o príncipe (Bin Salman) foi informado", completou o ministro.

"A agenda de Hariri pertence a Hariri", concluiu Le Drian ao ser questionado sobre a data da viagem.

No dia 4 de novembro, Hariri renunciou ao cargo de primeiro-ministro em um discurso transmitido a partir da Arábia Saudita e desde então não retornou a seu país.

Na quarta-feira, o presidente libanês Michel Aoun acusou a Arábia Saudita de manter Saad Hariri em detenção.

"Nada justifica que Hariri não esteja de volta após 12 dias. Assim, o consideramos um cativo e detido, o que é contrário à Convenção de Viena" que rege as relações diplomáticas entre os países, indicou um tuíte da Presidência libanesa, citando Aoun.